OS CONCORRENTES D’O MOSQUITO: UM “MUNDO” RECHEADO DE AVENTURAS

Celebra-se hoje, 18 de Agosto, uma das datas mais importantes da BD portuguesa, o nascimento há 68 anos d’O Mundo de Aventuras — “a primeira e única revista juvenil portuguesa em moldes essencialmente americanos, com as mais modernas e trepidantes aventuras, de palpitante interesse e dinamismo, escritas e desenhadas pelos nomes mais famosos da literatura [sic] do género, no novo continente” (como se podia ler na capa do seu nº 5, datado de 15 de Setembro de 1949). Curiosamente, o termo literatura era, nessa época, aplicado também às histórias aos quadradinhos.

O Mundo de Aventuras foi (e continuará a ser) uma das mais famosas publicações da nossa imprensa juvenil, que teve de competir com dois concor- rentes de peso, o Diabrete e O Mosquito, na altura do seu lançamento, e mais tarde com o Cavaleiro Andante, acabando por dominar o mercado, nos anos 1950/60, graças à pujança editorial da empresa a que pertencia, a Agência Portuguesa de Revistas. No início da década seguinte, pouco tempo antes da Revolução de Abril, passou por novas transformações, voltando ao nº 1 para encetar uma 2ª série (erradamente designada, à partida, como 5ª série), que durou até ao estertor desse grande império editorial, em finais dos anos 1980.

Sorteou valiosos brin- des, publicou separatas com ídolos do desporto e da canção (e até Presidentes da República), e pelos seus diversos figurinos (incluindo uma edição especial com 31 números, dois almanaques e um número extra dedicado à figura épica de Camões) desfilaram, semanalmente, os mais célebres heróis de linhagem norte-americana, oriun- dos das tiras diárias publicadas nos jornais — que se moldaram ao formato revista e se enraizaram também no imaginário dos jovens lusitanos, destronando os seus mais directos concorrentes europeus (como Cuto Tintin, que eram as mais-valias d’O Mosquito e do Diabrete).

Seguidamente, para fazer face à concorrência do Cavaleiro Andante, surgiram muitas outras personagens, criadas por autores de várias procedências, italianos, franceses, ingleses, holandeses, espanhóis, mas sobretudo franco-belgas, na última série (talvez a mais ecléctica). E o próprio Cuto ressurgiu em novos episódios, a partir de 1953.

Mas o maior património do Mundo de Aventuras são alguns dos nomes mais ilustres da BD portuguesa, como José de Oliveira Cosme, Roussado Pinto, Vítor Péon, Carlos Alberto, José Antunes, José Manuel Soares, José Baptista, Vítor Mesquita, António Barata, Orlando Marques, Raul Correia, Lúcio Cardador, E. T. Coelho, José Garcês, José Ruy, Fernando Bento, Catherine Labey, Baptista Mendes, Augusto Trigo, José Pires e outros. Na 2ª série, o MA abriu também as suas páginas, com a rubrica “Novos da BD Portuguesa”, a muitos autores jovens, alguns dos quais viriam a ter notoriedade artística, como Luís Louro, Tozé Simões, Fernando Jorge Costa e Luís Nunes.

Depois de passar a sair quinzenalmente, na última e atribulada etapa da sua existência — de que fui testemunha “privilegiada”, no pior sentido do termo, como coordenador —, o fim chegou em 15 de Janeiro de 1987, com o nº 589 (aliás, 1841, no somatório das duas séries), preenchido por uma história policial de origem inglesa, em vários episódios, ilustrada por Vítor Péon — um dos mais carismáticos colaboradores do MA na sua 1ª série, criador (juntamente com Roussado Pinto) do famoso cowboy, com um nome índio, Tomahawk Tom —, o que parece um final quase simbólico!

30 anos depois, o título e a assombrosa carreira do Mundo de Aventuras (quase quatro décadas de publicação!) merecem ainda ser recordados pela sua imensa legião de leitores e pelos bedéfilos das novas gerações.

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA (COM JORGE MAGALHÃES E CATHERINE LABEY) – 2

CATHERINE LABEY

Nascida a 8 de Setembro de 1945, em Évreux (França), de pais franceses, naturalizou-se portuguesa em 1975. Após os estudos secundários, frequentou as Belas-Artes de Paris. Sempre em Paris, trabalhou em publicidade como grafista e depois emigrou, primeiro para Coimbra (1970), depois para Lisboa, onde foi capista na Editora Estúdios Cor.

Em 1974, foi a Moçambique, onde voltou a trabalhar em publicidade, mas só lá ficou de Janeiro a finais de Agosto daquele ano. De regresso a Portugal, já naturalizada portuguesa, trabalhou como ilustradora e grafista para várias editoras (Plátano, Publica, a revista Fungagá da Bicharada, onde teve o seu primeiro contacto directo com a BD, e mais tarde Editorial Futura e Meribérica).

Fez banda desenhada publicada no Fungagá, no Mundo de Aventuras da APR, em álbuns juvenis na ASA do Porto, com argumentos de Jorge Magalhães («Contos Tradicionais Portugueses» e «Contos Para a Infância»: de Guerra Junqueiro, Andersen, Grimm e «As 1001 Noites», entre 1989 e 1992.

Fez muitas traduções de banda desenhada para a APR, Meribérica-Liber, ASA, e de texto para vários editores, tanto do francês como do espanhol e do inglês, assim como letragem de BDs. Para a Editorial Futura, entre outros trabalhos, teve a seu cargo a legendação das histórias e toda a paginação da revista O MOSQUITO (5ª série), do princípio ao fim.

Foi galardoada em 1995 com o troféu de Autor do Ano, no Salão de BD da Sobreda da Caparica, e com o Balanito Especial do Salão de Moura, em 2007.

Voltou a publicar na ASA, do grupo Leya, em 2012 («Provérbios… com Gatos»). Tem dois livros na gaveta, escritos e ilustrados por si («Os Bichinhos da Minha Vida», «Memórias de uma Gata»), e uma nova colecção infantil de 6 livros, com tema versando as plantas medicinais e seu uso, através das peripécias do gato Serafim e da feiticeira Margolina.

É contra o novo Acordo Ortográfico.

CANTINHO DE UM POETA – 37

Este poema de Raul Correia é mais um perfeito exemplo dos apólogos morais do “Avozinho” tão apreciados pelos leitores d’O Mosquito — numa época em que as revistas infanto-juvenis procuravam não só divertir como instruir —, ensinando-lhes, entre muitas coisas, que quem trata os outros com desdém, julgando-os apenas pelas aparências, faz o papel de ignorante e essa ignorância pode, às vezes, ser-lhe fatal, como no caso das roseiras vaidosas. E é claro que todos os “netinhos” do venerável “Avozinho” aprendiam com gosto a lição!

A página supra, ilustrada como habitualmente por José Baptista (Jobat), foi dada à estampa no Jornal do Cuto nº 32, de 9/2/1972.   

O REGRESSO DE TOMMY – 7

Resumo: depois de uma estranha série de acidentes que puseram em alvoroço a gente do circo, provocados pelo bando de um gangster com o pomposo nome de Hércules, este exige a Mr. Bingham o pagamento, todas as semanas, de uma quantia equivalente a 20% das receitas diárias… para evitar mais acidentes! Tommy e Sue, que ouviram a conversa, pedem ajuda a “Molho de Carne” e os três seguem os bandidos até ao seu “quartel-general”, num dos bairros mais sórdidos da cidade onde o circo está instalado.

Leiam um novo episódio desta famosa série ilustrada por John Lehti, com 15 tiras datadas de 2/12 a 18/12/1947, tal como saíram n’O Mosquito nºs 954 a 957, de 14/8 a 25/8/1948.

Há a apontar a repetição de uma tira no nº 956 (embora, curiosamente, com legendas diferentes) e o pormenor, que não deixa de ser também curioso, de todas terem sido publicadas a cores n’O Mosquito — o que na imprensa diária, seu local de origem, visto se destinarem ao sector mais numeroso da população, aquele que trabalhava e lia jornais, obviamente não acontecia (exceptuando as séries publicadas ao domingo).