“DOM AFONSO HENRIQUES NA BANDA DESENHADA” – GICAV REALIZA EXPOSIÇÃO EM VISEU E PUBLICA ÁLBUM COM HISTÓRIA DE E. T. COELHO

Conforme notícia que atempadamente divulgámos, abriu ao público no passado dia 27 de Agosto, em pleno Pavilhão Multiusos da Feira de São Mateus, a exposição intitulada “Dom Afonso Henriques na Banda Desenhada” — uma organização do GICAV (Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu), com o apoio da Câmara Municipal daquela cidade, da Viseu Marca e do IPDJ (Instituto Português do Desporto e Juventude).

Os nossos colegas do BDBD, Luiz Beira e Carlos Rico, estiveram lá aquando da inauguração e fizeram uma reportagem fotográfica deste evento, que pode ser vista no seu blogue: http://bloguedebd.blogspot.pt/2017/09/d-afonso-henriques-na-bd-reportagem.html

Antes da abertura da exposição no Pavilhão Multiusos — segundo informa o BDBD —, teve lugar, mesmo ao lado, num pequeno mas acolhedor auditório, o lançamento oficial do álbum “D. Afonso Henriques – A Balada da Conquista de Lisboa”, narrativa extraída da obra “O Caminho do Oriente”, publicada n’O Mosquito de 1946 a 1948, com texto de Raul Correia e desenhos de Eduardo Teixeira Coelho, cuja capa gostosamente reproduzimos, com a devida vénia ao BDBD e ao GICAV.

A sessão teve início com um curto mas interessante vídeo, onde o numeroso público presente visionou imagens virtuais da nova Arena de Viseu, um magnífico espaço completamente apetrechado para receber eventos culturais e desportivos, que em breve (crê-se que dentro de um ano) tomará o lugar do Pavilhão Multiusos. A cerimónia teve a participação do Director Executivo da Viseu Marca, Dr. Jorge Sobrado, da Presidente do GICAV, Drª. Filipa Mendes, e de Carlos Almeida, coordenador do GICAV na área da BD.

Após o lançamento do álbum, seguiu-se a inauguração oficial da exposição, um conjunto de vinte painéis em grande formato, com exemplos de praticamente todas as BD’s onde a figura de D. Afonso Henriques, o Conquistador, foi retratada por desenhadores de várias gerações, entre os quais, além de E. T. Coelho, Artur Correia, Baptista Mendes, Carlos Alberto, Carlos Rico, Eugénio Silva, Filipe Abranches, Jorge Miguel, José Antunes, José Garcês, José Projecto, José Ruy, Pedro Castro, Pedro Massano, Santos Costa e Vítor Péon.

Vista parcial da exposição, com o painel dedicado a E.T. Coelho em grande plano, à direita, e ao lado o de José Antunes; também em 1º plano, de costas, o desenhador Baptista Mendes, outro autor com participação nesta grandiosa mostra (foto do BDBD).

Advertisements

SERAFIM & MALACUECO – A MAIS FAMOSA SÉRIE CÓMICA PUBLICADA N’O MOSQUITO

Texto de Luiz Beira, publicado originalmente no blogue BDBD, de onde o reproduzimos com a amável autorização deste nosso colega e amigo. 

A primeira prancha de “Weary Willie and Tired Tim”, publicada na revista “Ilustrated Chips” #298 (16.05.1896)

Esta dupla popular e irresistível viu a luz do dia a 16 de Maio de 1896, na publicação inglesa “Illustrated Chips”. Seu autor: Tom Browne (1870-1910). Na sua versão original, chamavam-se Weary Willie (o esticadinho Serafim) e Tired Tim (o gorducho Malacueco). As suas astutas e/ou aparatosas aventuras foram sempre publicadas com honra de primeira página, pormenor que aconteceu também quando publicadas em Portugal, pela primeira vez, na revista “O Mosquito” #209, de 11 de Janeiro de 1940.

No nosso país, “Serafim e Malaqueco” foram também publicados na “Colecção de Aventuras” (1940/42) [de onde respigaremos brevemente alguns episódios]; em vários números de “O Mosquito”, regressando, após longa ausência, na sua última etapa (1952/53); na revista “Valente” (meados dos anos 50); e nos anos setenta [sob a curiosa epígrafe “TV Serafim & Malacueco Show”] no “Jornal do Cuto” (que recuperou histórias anteriormente publicadas n’ “O Mosquito”).

A série, que divertia uma multidão de bedéfilos em vários países, terminou a 12 de Setembro de 1953. Tom Browne desenhou-a de 1896 a 1900, sendo prosseguida por Arthur Jenner e depois por Percy Cocking. Por volta de 1903, a série conheceu algumas adaptações ao Cinema, em curtas metragens, com realização de William Haggar, que usou dois dos seus filhos como protagonistas: James Haggar (Tired Tim) e Walter Haggar (Weary Willie).

Esta dupla é a de dois vagabundos que tudo fazem para viver bem, graças à sua esperteza… nem sempre triunfante. De certo modo, foram inspirados em Don QuixoteSancho Panza. Mesmo assim, estes dois “heróis” inspiraram muitas parcerias semelhantes, tanto na BD como no Cinema, como foi o caso de Oliver Hardy (Bucha) e Stan Laurel (Estica). Ainda hoje, com carinho e nostalgia, se relêem com muito agrado as suas tão divertidas tropelias.

“Weary Willie and Tired Tim”, in “Ilustrated Chips” #2813 (05.07.1947)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1125 (Abril 1950)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1149 (Junho 1950)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1150 (Julho 1950)

A popularidade destes personagens no nosso país acabou por torná-los alvo de alguns pastiches por parte de consagrados autores portugueses, que, dessa forma, homenagearam as suas divertidas aventuras. Tais foram os casos de José Abrantes e Jorge Magalhães, que publicaram no “Almanaque O Mosquito”, em 1987, uma aventura em quatro pranchas (que foi, vinte anos mais tarde, reeditada no #7 dos “Cadernos Moura BD”)…
“O Regresso de Serafim e Malacueco”, por Jorge Magalhães (texto)
e José Abrantes (desenhos), in “Almanaque O Mosquito” (1987)
.
… e de Eugénio Silva que realizou em 2015, para o fanzine de Geraldes Lino “Efeméride” #6 (parte 3 de 4), uma divertida prancha humorística (algo pouco usual neste autor).
(Nota: foram acrescentadas duas imagens a este post. Em breve publicaremos um artigo de Roussado Pinto dedicado, também, à impagável criação de Tom Browne)
 

ALEXANDRE HERCULANO E EÇA DE QUEIROZ NA BANDA DESENHADA (por Luiz Beira)

Completando a informação já publicada n’O Voo d’O Mosquito sobre as exposições patentes no Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), desde 30 de Abril p.p. — e que versam o tema Alexandre Herculano e Eça de Queiroz na Banda Desenhada, numa digna parceria com a Câmara Municipal de Moura e o Gicav (de Viseu) —, apresentamos em seguida duas breves monografias alusivas, da autoria de Luiz Beira, um dos comissários (e autor principal) dessas mostras, cujo acervo reúne algumas notáveis criações de desenhadores portugueses e brasileiros inspiradas na obra de dois dos maiores vultos da nossa Literatura.

ALEXANDRE HERCULANO

Alexandre HerculanoAlexandre Herculano (1810-1877)

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo, nascido em Lisboa a 28 de Março de 1810 e falecido na sua Quinta de Vale de Lobos (Santarém) a 18 de Setembro de 1877, foi (e é) um dos maiores vultos da cultura de Portugal. A 6 de Novembro de 1888, os seus restos mortais foram transladados para a Sala do Capítulo do Mosteiro dos Jerónimos.

Escritor, poeta, político, historiador, jornalista, dramaturgo e ensaísta, notoriamente anti-clerical, combateu (tal como Almeida Garrett) sob o comando de D. Pedro IV, pela libertação nacional do absolutismo de D. Miguel I.

Alexandre Herculano (busto)Chegou a ser deputado e foi preceptor do futuro rei D. Pedro V. Tal como Garrett, é um dos escritores que introduz o Romantismo na literatura portuguesa. Por sua vez, também introduziu a historiografia científica em Portugal, donde as suas magníficas e volumosas obras “História de Portugal”, “História da Origem e Estabe- lecimento da Inquisição em Portugal” e a compilação de “Portugalie Monumenta Historica”.

A 1 de Maio de 1867, casou com Mariana Hermínia de Meira, de quem não houve descendência. É neste ano que, farto da podridão política e do ambiente da sociedade lisboeta, se retira para a sua quinta em Vale de Lobos (Azóia de Baixo, Santarém), onde, embora continuando a escrever, se dedica essencialmente à agricultura e à produção do famoso “Azeite Herculano”.

Escreveu Poesia (“A Harpa do Crente” e “Poesias”), Teatro (“O Fronteiro de África” e “Os Infantes de Ceuta”), Romance (“O Pároco da Aldeia” e “O Galego”) e notáveis romances históricos (“O Bobo”, “Eurico, o Presbítero”, “O Monge de Cister” e “Lendas e Narrativas”).

“O Bobo” foi, até agora, o único texto seu adaptado (mediocremente) ao Cinema, em 1987, por José Álvaro Morais. Em 2011, em data  colada (2010) ao segundo centenário do seu nascimento, Moura e Viseu organizaram, em conjunto, uma exposição evocativa versando as adaptações dos seus textos à 9.ª Arte.

É precisamente a Banda Desenhada que bem o tem honrado, a saber:

Bobo 2 e 3

“O BOBO”, uma adaptação de José Ruy, numa primeira versão publicada no “Cavaleiro Andante” (1956), com legendas didascálicas, teve uma segunda versão publicada em álbum, três décadas depois, completamente redesenhada e já com a inclusão de balões: “O BOBO”, por José Ruy (“Editorial Notícias”, 1986).

“A ABÓBADA” foi adaptada por Fernando Bento para o “Cavaleiro Andante”, em 1955. A revista “Anim’arte”, com o patrocínio do Gicav (Viseu), republicou recentemente esta obra, sob a forma de separata.

HERCULANO triptico 1

 José Batista (Jobat) adaptou também “A Abóbada”, mas sob o título “O Voto de Afonso Domingues” (“Mundo de Aventuras”, 1958). No início dos anos 80, Eduardo Homem e Victor Mesquita criaram uma terceira versão, publicada a duas cores no extinto jornal “Kalkitos” (1980), mas que ficou incompleta.

“A MORTE DO LIDADOR” é das obras de Herculano que mais vezes foi adaptada à banda desenhada. O primeiro autor a fazê-lo foi Eduardo Teixeira Coelho (“O Mosquito”, 1950).

triptico 2

Seguiu-se a versão de José Garcês (“O Falcão”, 1ª. série, 1960). Baptista Mendes também adaptou esta narrativa (embora com o título “O Último Combate”) na revista “Camarada”, 2ª série (1965), assim como José Pires, que publicou, em 1987, no “Tintin” belga, uma versão a cores. Anos mais tarde, recoloriu e retocou essas pranchas para serem publicadas no semanário “Alentejo Popular”, de Beja, 2011.

triptico 3

De “EURICO, O PRESBÍTERO” temos uma notável adaptação de José Garcês, publicada na revista “Modas & Bordados”, nos anos de 1955-56. Foi mais tarde reeditada em álbum pelas Edições Futura, na “Antologia da BD Portuguesa” (1983).

“A DAMA PÉ-DE-CABRA” é outra obra de Herculano que tem despertado o interesse dos autores portugueses. Tal é o caso de José Garcês na revista “Tintin” (1980),  de Jorge Magalhães e Augusto Trigo (que incluíram esta versão numa excelente colecção de álbuns editados pela Asa – “Lendas de Portugal em Banda Desenhada”, 2.º volume, 1989 – que, lamentavelmente, não passou do terceiro tomo), e de José Pires, que chegou a apresentar um projecto às Edições Lombard para publicar esta narrativa, infelizmente recusado pela editora belga. O texto ficaria a cargo do argumentista Benoit Despas.

triptico 4

“O MONGE DE CISTER”, pelo brasileiro Eduardo Barbosa, é a única adaptação à BD – que saibamos – de uma obra de Herculano realizada por um autor estrangeiro.  Foi publicada na revista “Edição Maravilhosa” nº 80 (1954), com capa de António Euzébio.

triptico 5

José Antunes adaptou para o “Camarada”, 2ª série (1961) “O CASTELO DE FARIA”, embora com o título “Nuno Gonçalves”, história mais tarde reeditada no n.º 5 dos “Cadernos Moura BD” que lhe foi dedicado, em 2004. Por sua vez, Carlos Baptista Mendes publicou no “Jornal do Exército” (1976) uma biografia de Alexandre Herculano, em duas pranchas.

triptico 6

Por fim, deixamos aqui referência a uma pequena biografia de Alexandre Herculano, com texto e desenhos de José Ruy, cujo propósito seria o de ser incluída numa reedição do álbum “O Bobo”. O projeto, contudo, não passou da fase de esboço. 

Não faltam, pois, belas seduções, ao menos pela facilidade ilustrativa da Banda Desenhada, para que se conheça, sobretudo da parte das novas gerações, a beleza e o vigor da obra de Alexandre Herculano.

(Agradecemos a Baptista Mendes, José Ruy, José Pires, Carlos Gonçalves e Jorge Magalhães por nos terem facultado algumas das imagens que ilustram este texto).

EÇA DE QUEIROZ

Eça de Queirós (1871)Eça de Queiroz (1845 – 1900)

Escritor mundialmente conhecido, traduzido e lido, muitas vezes tão inteligentemente mordaz, José Maria Eça de Queiroz nasceu a 25 de Novembro de 1845, na Póvoa de Varzim, e faleceu aos 54 anos, em Paris, a 16 de Agosto de 1900. Romancista, cronista e poeta, teve cargos políticos, como o de embaixador no Brasil, Cuba e Inglaterra. Algumas das suas obras têm sido adaptadas ao Cinema, ao Teatro e à Televisão, mormente em Portugal, Brasil e México. E pela Banda Desenhada? Pois, pela admirável 9.ª Arte, aqui vai “tudo” o que conseguimos apurar:

O grande mestre português Eduardo Teixeira Coelho (que, muitas vezes, assinou apenas como ETC as iniciais do seu nome), foi o que mais adaptou textos de Eça: “A Aia”, “A Torre de D. Ramires”, “O Defunto”, “O Suave Milagre”, “O Tesouro” e “São Cristóvam” (esta, para nossa tristeza, ficou incompleta). As completas foram também editadas no Brasil, com capas do também nosso e saudoso Jayme Cortez.

triptico 1

Para além destas versões estreadas na revista “O Mosquito”, algumas foram reeditadas em álbum pela Futura e pela Vega. Com edição da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, foi editado o álbum “O Defunto”, com grafismo de José Morim.

Também em Portugal, Joaquim Oliveira Ribeiro arrojou-se (e bem) a adaptar “O Primo Basílio” (que ainda não terminou, por razões de saúde), e Eugénio Silva, mal terminou a biografia de “José do Telhado”, logo encetou a adaptação do conto queiroziano “A Perfeição”.

O chinês e a cobra

Ainda em Portugal, José Manuel Saraiva adaptou o conto “Singularidades de uma Rapariga Loira” e Baptista Mendes, em duas pranchas, desenhou “O Chinês e a Cobra” (texto extraído de “Cartas Familiares”), que foram publicadas no “Jornal do Exército”,  em 1979.

É do Brasil que nos chegam exemplos de outros textos de Eça de Queiroz na BD, às vezes conotados com a Argentina e a Itália. Assim, temos: “A Relíquia” (Ed. Conrad), numa espantosa e ousada adaptação, com o grafismo de Francisco Marcatti, e “O Tesouro” (não publicado, existindo apenas na Internet), por Luiz Marcelo

Nos anos 50, a revista brasileira de Banda Desenhada “Romance Ilustrado”, editou no n.º 6  “A Ilustre Casa de Ramires”, que supomos seja do italiano (ou italo-brasileiro) C. Raineri. Outra glória que nos chegou de além-Atlântico, é a muito interessante versão de “O Mandarim” publicada no n.º 1 da brasileira “Revista Ilustrada”, em 1956, com grafismo do argentino Enrique Vieytes  e capa do falecido ilustrador brasileiro Aylton Thomaz.

E pronto, já são muitos, belos e emotivos exemplos em que a Banda Desenhada honrou o nosso grande e atento escritor.

(Registamos aqui o nosso agradecimento sincero a quem nos apoiou nesta pesquisa: Dr. Juarez Antonio Leoni (Brasil), Drª. Armanda Patrício (irmã de Joaquim Ribeiro), Carlos Gonçalves, Jorge Magalhães, José Manuel Vilela, Leonardo De Sá, Baptista Mendes e Câmara Municipal da Póvoa de Varzim. Muito e muito obrigado).

Nota: Ao agradecermos a colaboração prestada pelo Clube Português de Banda Desenhada ao nosso blogue, queremos sublinhar, mais uma vez, as várias iniciativas em que o nome d’O Mosquito tem estado em foco — relacionadas com a comemoração do seu 80º aniversário — e a meritória tarefa em que o CPBD, apesar dos seus ainda escassos recursos financeiros, se tem empenhado activamente nos últimos meses, desde a mudança da sua sede para a Amadora e a actualização dos seus estatutos, agora mais conformes com os ambiciosos projectos que já começou a pôr em prática nesta renovada fase da sua existência, prestes a completar quatro décadas ao serviço da BD, da cultura e da juventude portuguesas.

DUAS NOVAS E INTERESSANTES EXPOSIÇÕES NO CLUBE PORTUGUÊS DE BANDA DESENHADA – 2

IMG_3994 (800x600)

Como tínhamos prometido, aqui ficam mais algumas fotos das duas exposições patentes desde 30 de Abril p.p. (data da sua inauguração), na sede do Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), aberta ao público todos os sábados, das 14h00 às 18h30, e que poderão ser vistas até ao final deste mês.

Estas fotos foram-nos enviadas pelo nosso bom amigo e colega da blogosfera (criador do excelente blog Largo dos Correios), Professor António Martinó, a quem voltamos a agradecer a colaboração e generosidade sempre manifestadas no momento oportuno. Bem haja, amigo Martinó! 

IMG_4049 e 4051

IMG_3995 (800x600)

IMG_3996 (800x600)

IMG_3997 (800x600)

IMG_3998 (800x600)

IMG_3999 (800x600)

IMG_4000 (800x600)

IMG_4001 (800x600)

IMG_4002 (800x600)

IMG_4003 (800x600)

Nesta reportagem, feita antes da inauguração oficial, podem apreciar-se com mais nitidez (ampliando as imagens até à sua extensão máxima) os painéis das referidas exposições, dedicadas ao tema Eça de Queiroz e Alexandre Herculano na Banda Desenhada, cuja apresentação honra a parceria entre o CPBD e o GICAV. Aliás, as duas mostras estiveram também patentes em Moura, onde teve início o seu périplo, e em Viseu. Nelas figuram trabalhos de vários autores portugueses e brasileiros, baseados em obras dos dois grandes escritores do século XIX — entre os quais se destacam, naturalmente, as magníficas pranchas de Eduardo Teixeira Coelho (ETC), publicadas n’O Mosquito entre 1950 e 1953.

IMG_4004 (800x600)

IMG_4006 (800x600)

IMG_4007 (800x600)

IMG_4008 (800x600)

IMG_4009 (800x600)

IMG_4010 (800x600)

IMG_4012 (800x600)

IMG_4045 (800x600)

IMG_4047 (800x600)

IMG_4048 (800x600)

IMG_4052 (800x600)

IMG_4053 (800x600)

Eis seguidamente a relação dos trabalhos expostos e respectivos autores artísticos e literários. Recordamos que estas exposições foram comissariadas por Carlos Rico e Luiz Beira, que nessa qualidade presidiram à cerimónia de inauguração realizada na sede do CPBD no final de Abril, conforme já noticiámos.

ALEXANDRE HERCULANO

A Morte do Lidador” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
A Abóbada” – por Victor Mesquita/A Abóbada” – por Fernando Bento
O Monge de Cister” – por Eduardo Barbosa (brasileiro)
O Voto de Afonso Domingues” – por Jobat (José Baptista)
Eurico o Presbítero” – por José Garcês
Nuno Gonçalves”  – por José Antunes
O Último Combate” – por Baptista Mendes
Alexandre Herculano” (biografia) – por Baptista Mendes
Alexandre Herculano” (biografia) – por José Ruy
O Bobo” – por José Ruy
A Morte do Lidador” – por José Pires/”A Morte do Lidador” – por José Garcês
A Dama Pé-de-Cabra” – por José Pires/A Dama Pé-de-Cabra” – por Augusto Trigo, adaptação literária de Jorge Magalhães

EÇA DE QUEIROZ

A Ilustre Casa de Ramires” – por C. Raineri (brasileiro)
A Torre de D. Ramires” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
A Aia” –  por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
S. Cristóvam” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
O Suave Milagre” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
O Defunto” – por José Morim/”O Defunto” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC
José Matias” – por José Manuel Saraiva
A Relíquia” – por Francisco Marcatti (brasileiro)
O Primo Basílio” – por Joaquim Ribeiro (obra inédita)
Os Maias” – por Jorge Machado-Dias (obra inédita)
O Mandarim” – por Vreytes (brasileiro)
Eça de Queirós” (biografia) – por Baptista Mendes
O Chinês e a Cobra” – por Baptista Mendes
A Perfeição” – por Eugénio Silva (obra inédita)
“O Tesouro” – por Luís Marcelo (brasileiro)/”O Tesouro” – por Eduardo Teixeira Coelho/ETC

 

DUAS NOVAS E INTERESSANTES EXPOSIÇÕES NO CLUBE PORTUGUÊS DE BANDA DESENHADA – 1

IMG_2677

Como anunciámos em devido tempo, foram inauguradas, no passado dia 30 de Abril, duas novas exposições na sede do Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), alusivas ao tema Eça de Queirós e Alexandre Herculano na Banda Desenhada, com a presença dos seus dois comissários, Carlos Rico e Luiz Beira, de directores e de vários sócios, simpatizantes e colaboradores do Clube. Como oradores intervieram Carlos Rico, Luiz Beira e Pedro Mota, presidente da direcção recentemente eleita.

Estas exposições são fruto de uma parceria entre o CPBD, o Município de Moura (que foi o seu primeiro organizador) e o GICAV (Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu), que tomou também a iniciativa de levá-las ao público da sua cidade. Montadas em grandes painéis e divididas por autores que adaptaram de forma criativa algumas obras dos dois grandes vultos da literatura portuguesa do século XIX, as mostras abrangem várias épocas e várias publicações carismáticas, desde O MosquitoModas & Bordados, O FalcãoMundo de Aventuras e Cavaleiro Andante ao Tintin (português e belga) e até revistas brasileiras, sem olvidar as versões que foram publicadas em álbuns ou que permanecem ainda inéditas.

Apresentamos seguidamente uma breve reportagem dessa informal cerimónia, graças aos préstimos do nosso amigo Dâmaso Afonso, diligente repórter fotográfico a quem, uma vez mais, agradecemos a amável e valiosa colaboração.

IMG_2671

IMG_2673

IMG_2674

IMG_2675

IMG_2676

IMG_2678

IMG_2682

IMG_2683

IMG_2684

IMG_2685

O MOSQUITO RESSUSCITADO… PELA 4ª VEZ (2)

Mosquito futura nº1vinheta manus kelly

Mosquito Futura - nº 1 Tarzan EstrompaNos números seguintes desta 5ª série da mítica revista O Mosquito, “ressuscitada” em Abril de 1984 pela Editorial Futura (ver o primeiro post sobre este título), a participação de artistas nacionais, depois de Augusto Trigo e Estrompa, alargou-se a José Garcês, José Abrantes, Fernando Relvas, Victor Mesquita, Carlos Roque, António Barata, Carlos Alberto, Renato Abreu, Arlindo Fagundes — e a uma jovem dupla de novos talentos, Luís Louro e Tozé Simões, que n’O Mosquito apresentaram a sua criação mais famosa: Jim del Monaco.

Mas a colaboração da “prata da casa” não ficou por aí, contemplando também o género literário, uma das mais emblemáticas tradições do primogénito O Mosquito, com contos de Orlando Marques e Lúcio Cardador — novelistas de larga currículo que, sob as suas “asas”, tinham ensaiado os primeiros “voos” —, e de A. J. Ferreira, nome mais conhecido como profundo estudioso de literatura popular e banda desenhada.

Além disso, esta série contou ainda com algumas rubricas informativas e artigos de análise histórica, assinados pelos mais valiosos colaboradores nessa área, como António Dias de Deus, António J. Ferreira, Luiz Beira, António Alfaiate, Luís Mesquitela e Geraldes Lino (que teve também a seu cargo a secção do correio, desde o nº 4, assumindo a identidade do próprio O Mosquito, como Raul Correia na 1ª série).

Mosquito FUTURA - ENTREVISTA R CORREIA 1 e 2

Nos três primeiros números, merece, aliás, destaque a entrevista feita por Dias de Deus a um dos “pais” e fundadores d’O Mosquito, então já à beira dos 80 anos. E no nº 6 foi publicada a última entrevista de outro grande nome da BD, nem mais nem menos do que o popular criador de Tintin, Georges Rémi (Hergé), falecido em Março de 1983.

O autor dessa “cacha” — como se diz em gíria jornalística — foi Luiz Beira, que manteve uma longa amizade com Hergé, depois de ter sido o primeiro repórter e bedéfilo português a entrevistá-lo para a revista Plateia.

Mosquito futura nº1 rostoNo primeiro número deste ambicioso O Mosquito dos anos 80 — que a crítica e os leitores (da “velha e da nova guarda”) receberam com um misto de aplauso e de expectativa, deixando no ar algumas propostas e algumas dúvidas, como era de esperar, pois os rumos da revista não pareciam ainda solidamente definidos —, outro motivo de destaque é a nota de abertura assinada por Raul Correia, sob a epígrafe “Reviver outros tempos… e continuar”, em que o inesquecível “Avozinho” d’O Mosquito, ainda na plena posse do seu génio literário, afirmava em tom emotivo, a propósito da nova série que vira imprevistamente nascer:

“(…) Para mim, é todo um passado de mais de 50 anos que revive. Outros tempos? Sim, com certeza, mas espero bem que, mercê de Deus, sejam também o tempo de agora, ligado ao passado, olhando o futuro que lhe desejo longo e próspero” (ler na imagem o texto completo).

Raul Correia foi também amplamente citado num belo artigo de A. J. Ferreira, com o título “História de El-Rei O Mosquito I”, que traçava minuciosamente o percurso da 1ª série, descrevendo as suas diversas fases, acompanhadas por ciclos de crescimento e de crise, e passando em revista as publicações paralelas (álbuns e almanaque) das Edições O Mosquito, assim como as recidivas que, alguns anos depois, começaram a surgir pelo caminho (ver também o post anterior aqui).

Mosquito futura nº1 el rei o mosquito 1 e 2

Outro articulista, António Alfaiate, encarregou-se da apresentação de uma das principais séries estreadas na revista: “Ás de Espadas”, criação de Ricardo Barreiro (argumento) e Juan Gimenez, dois excelentes autores sul-americanos cuja obra começava a ganhar notoriedade nos fóruns da BD europeia e aos quais O Mosquito iria também dar lugar de destaque entre os seus colaboradores estrangeiros.

Mosquito futura nº1 ás de espadas 1 e 2

Mosquito Futura - Ás de Espadas 3 e 4

O segundo número d’O Mosquito, recheado de novidades — entre elas, uma das mais afamadas séries da “nova vaga” espanhola: Torpedo 1936 —, só iria aparecer nas bancas dois meses depois, isto é, em Junho de 1984. Mas, em Maio, a equipa que o criara, formada pelo seu director, o seu coordenador/tradutor e a sua maquetista (além de legendadora) Catherine Labey, acompanhados por alguns dos seus mais próximos colaboradores, encetou outra aventura, rumando ao Salón del Comic de Barcelona. Mas isso é uma história diferente (e com peripécias divertidas, por sinal)… que ficará, talvez, para outro dia.

Mosquito futura nº1anúncio