JAYME CORTEZ HOMENAGEADO NUM “PROZINE” PORTUGUÊS (DE HÁ 30 ANOS)

Texto de Geraldes Lino

Jayme Cortez (Jaime Cortez Martins) nasceu português, em Lisboa, a 8 de Setembro de 1926, mas quando faleceu, a 4 de Julho de 1987, em São Paulo, já era brasileiro, porque, além de ter passado a viver no Brasil, adoptara em 1957 a nacionalidade do país que o acolhera e onde era admirado.

Inicialmente influenciado pelo mestre (1) Eduardo Teixeira Coelho, Jayme Cortez muito cedo foi criando o seu próprio estilo, o que se tornou bem evidente na sua produção de banda desenhada brasileira, iniciada com a adaptação às histórias em quadrinhos, em tiras diárias, de “O Guarani”, da obra clássica do autor brasileiro José de Alencar, para o jornal Diário da Noite.

A última banda desenhada de Jayme Cortez publicada em Portugal foi a que teve por título “Os Espíritos Assassinos”, impressa na revista infanto-juvenil O Mosquito, entre Janeiro e Abril de 1947. Foi esse conto curto gráfico (27 pranchas), imaginado e desenhado por Cortez que Jorge Magalhães escolheu para o prozine (2) Cadernos de Banda Desenhada, editado há trinta anos.

A nota “A obra-prima de Jayme Cortez” incluída na capa, refere-se naturalmente à produção portuguesa do autor, visto que, na sua bibliografia brasileira há obras de BD de elevadíssimo nível ficcional e estilístico, designadamente “O Retrato do Mal”, “Sérgio do Amazonas” e “Zodíaco”.

(1) Sou contra o uso (e abuso)  indiscriminado do título de Mestre que por vezes é usado em relação a vários autores portugueses de BD. Considero que E.T. Coelho é o único a assim poder ser classificado, por ter tido vários seguidores estilísticos, ou discípulos, caso singular da BD em Portugal.

(2) Já o escrevi várias vezes: um prozine é um zine editado por um pro dessa área. Consequentemente, é o caso de um zine de banda desenhada editado por um profissional de BD, e tanto Jorge Magalhães como Catherine Labey, responsáveis pela edição do zine, sempre estiveram ligados profissionalmente à BD.

Ficha técnica:

Cadernos de Banda Desenhada
Director: A.A. de Castro (*)
Editor e proprietário: 
Catherine Labey
Redacção e Administração:
R. Joaquim Ereira, 2693
Torre, 2750 Cascais
Tiragem [inicial]: 4000 exemplares
Preço: 125$00

(*) Pseudónimo de Jorge Magalhães

(Texto e imagens reproduzidos, com a devida vénia, do blogue Sítio dos Fanzines, orientado por Geraldes Lino. Ler também a nota de Jorge Magalhães, depois das páginas que se seguem).

Nota de J. M. — A ideia de publicar esta história de Jayme Cortez nos Cadernos de Banda Desenhada (revista cujo projecto já estava em elaboração, depois de um número experimental, também impresso em tipografia, saído algum tempo antes), começou a germinar quando eu soube que Jayme Cortez passaria por Portugal, ao regressar do Festival Internacional de Lucca, onde foi homenageado em finais desse ano (1986), por ter cumprido 50 anos de prestigiosa carreira e ser autor de obras marcantes, como Zodíaco, a que a crítica internacional, sobretudo a italiana, tecera rasgados elogios.

De facto, Cortez veio a Lisboa e foi festivamente recebido por um numeroso grupo de admiradores e amigos, que se reuniram, em sua honra, num restaurante do Parque Mayer. Foi lá que o conheci e lhe falei no meu projecto, mostrando muito interesse em reeditar «Os Espíritos Assassinos», a sua última obra publicada n’O Mosquito, pouco tempo antes de partir como emigrante para o Brasil, em busca de melhores condições de trabalho.

Jayme Cortez aderiu imediatamente à minha ideia, autorizando a publicação dessa história sem quaisquer encargos autorais para os editores — como, aliás, também aconteceu com José Ruy, autor da obra que seria publicada no 1º número, as magníficas «Lendas Japonesas», reproduzidas da 2ª série  d’O Papagaio.

Como já não havia originais, «Os Espíritos Assassinos» teve também de ser recuperada por processos fotográficos, a partir das páginas d’O Mosquito — tarefa que não saiu barata e exigiu à Catherine muitas horas de trabalho a retocar os fotolitos, porque nesse tempo, em que ainda não se utilizavam computadores, era tudo feito à base da fotografia e do offset. Mas Jayme Cortez ficou imensamente satisfeito quando viu a revista, não nos regateando elogios por a sua história ter ficado tão bem impressa a preto e branco, sem as manchas de cor e as redes que tinha n’O Mosquito.

E em sinal de agradecimento até me enviou uma das suas últimas edições, recheada de amostras dos seus trabalhos, ilustrando o extraordinário percurso da sua carreira no Brasil. Intitula-se «A Arte de Jayme Cortez» e é duplamente preciosa para mim por ter uma dedicatória do grande mestre luso-brasileiro… que, infelizmente, pouco tempo depois, disse adeus a este mundo, apenas com 60 anos de idade.  

SECÇÃO DOS SÁBIOS – 2

A pretexto do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, recordamos novamente a  Secção dos Sábios, rubrica de curiosidades e cultura geral apresentada no Jornal do Cuto — quase um fac-simile da secção homónima criada por Eduardo Teixeira Coelho n’O Mosquito, com textos de Raul Correia.

As duas páginas aqui reproduzidas, ilustrando passagens d’Os Lusíadas, mostram um ETC em plena forma — apesar da sua carreira se ter iniciado poucos anos antes —, cujo traço robusto, dinâmico e harmonioso continuava a encantar os juvenis leitores d’O Mosquito, preparando-se para voos ainda mais altos, a partir de 1946.

Estas páginas foram publicadas no Jornal do Cuto nºs 5 (4/8/1971) e 10 (8/9/1971), ambos com capas de E. T. Coelho oriundas também d’O Mosquito.

O REGRESSO DE TOMMY – 6

Depois de descobrirem que os acidentes ocorridos no circo nada tiveram a ver com bruxedo, mas foram obra de um bando chefiado por um tal Hércules, Tommy e Sue apressam-se a pôr Mr. Bingham ao corrente das suas suspeitas. Mas o caso é mais grave ainda do que parece… porque Hércules não tarda a dar notícias.

Leiam mais um episódio desta excelente série criada por John Lehti, cujas tiras diárias, correspondentes às datas de 18/11 a 1/12 de 1947, foram publicadas n’O Mosquito nºs. 951 e 953 (Agosto de 1948). No nº 952, Tommy fez “gazeta”.

CANTINHO DE UM POETA – 35

Para variar do tom lírico, mostrando desta feita o jeito humorístico de Raul Correia (vulgo Avozinho), eis mais uma composição poética com fundo moralista, onde os seus atentos e fiéis leitores d’O Mosquito — e mais tarde do Jornal do Cuto (estes já mais crescidotes) — podiam colher sábios e proveitosos ensinamentos.

A ilustração tem o cunho habitual e a assinatura de José Batista (Jobat), e a rubrica — de presença obrigatória no Jornal do Cuto, reflectindo a enorme admiração que Roussado Pinto sentia pelo seu velho mestre e amigo, desde os tempos em que tinham trabalhado juntos n’O Mosquito — apareceu no nº 29, de 19/1/1972.

OS MOSQUITOS, O PAPA E A HIGIENE

Ouvimos, ainda não há muito tempo, o Papa Francisco, de visita a alguns países africanos, declarar que tinha mais receio das picadas dos mosquitos que dos ataques terroristas, numa altura em que todas as atenções estavam concentradas na ameaça que representam os grupos de fanáticos islâmicos, cujos atentados têm provocado inúmeras vítimas em vários pontos do mundo.

Ora as afirmações do Sumo Pontífice deixaram-nos um pouco tristes, porque somos defensores dos mosquitos, mesmo daqueles que têm pior fama e que todos consideram, vulgo vulgaris, como maléficos e indesejáveis. Coitados, eles não têm culpa de ser assim, ao contrário dos terroristas que matam indiscriminadamente em nome do seu fanatismo religioso. É verdade que os mosquitos também gostam de sangue e que é através do sangue que transmitem muitas doenças aos seres humanos. Há cerca de dois anos até apareceu uma nova e mortífera praga causada por mosquitos de uma espécie baptizada com um nome esquisito (que toda a gente pronunciava com temor): Zika!

Mas, tal como nós, eles são seres vivos que fazem parte da maravilhosa rede da Natureza e que, se fossem totalmente exterminados, fariam decerto falta ao equilíbrio dessa imensa e intrincada rede, em que todos têm uma função específica a desempenhar em prol da sobrevivência comum. Isto pode parecer um paradoxo, no que toca aos mosquitos e a outras espécies nocivas para a humanidade, mas estamos certos de que a Natureza sabe o que faz!…

É claro que nem todos os mosquitos têm uma fama tão detestável, pela simples razão de que há um Mosquito nascido em 1936, numa humilde tipografia, que foi durante algumas décadas o encanto e o companheiro inseparável da juventude portuguesa. E vocês sabem bem que o seu simpático nome logrou até vencer a barreira do tempo e do esquecimento e chegar aos nossos dias revestido da mesma relicária fama de outras eras!

Mas vem este intróito a propósito de um curioso opúsculo que encontrei, em tempos, numa banca de livros usados, e que tem uma idade ainda mais venerável que a do nosso bem-amado O Mosquito, pois foi impresso em 1927 e editado pela Cruz Vermelha Portuguesa, a partir de uma idêntica versão americana. Recheado de belas ilustrações — embora num estilo também antiquado — e de eficientes conselhos de saúde, destinava-se às crianças, alertando os responsá- veis pelo seu bem-estar para um certo número de práticas e de cuidados hygiénicos que era preciso seguir naquele tempo (e, em muitos casos, ainda hoje) para prevenir os malefícios e as doenças mais comuns.

Como já tem 90 anos, é natural que a sua ortografia nos pareça, nos tempos de hoje, um pouco estranha e até quase incompreensível. Damos como exemplo o seu próprio título: Princípios de Hygiene. Mas vale a pena folheá-lo atentamente, apreciando os seus conselhos e as suas inúmeras ilustrações. Nalgumas páginas surgem advertências contra as moscas e os mosquitos malfazejos propagadores de doenças que podem causar a morte a outros seres vivos, sobretudo  aos humanos, como a malária e o paludismo. Por isso, não admira que eles figurem numa lista negra, como os mais perigosos terroristas que enxameiam o mundo moderno.

Já aqui dissemos o que pensamos dessa gente. Quanto aos mosquitos que gostam de sugar o nosso sangue, esses devemos também evitá-los, mas olhando-os de outro modo, talvez com mais tolerância, porque, no fundo, têm tanta consciência do mal que nos fazem como da sua própria razão de existir.

E aqui ficam, para vosso conhecimento, algumas ilustrações do antiquíssimo fascículo com que a benemérita Cruz Vermelha presenteou os cidadãos americanos, franceses e portugueses (e certamente de outros países), numa época em que o Papa Bergoglio (ou Francisco, como todos o tratam) ainda não era nascido.

Por curiosidade, fiquem a saber que ele veio ao mundo no mesmo ano que o nosso O Mosquito… o que é, sem dúvida, uma boa coincidência!

 

NOVA PALESTRA NO CPBD SOBRE “A LEI DA SELVA” DE EDUARDO TEIXEIRA COELHO

No próximo sábado, dia 6 de Maio, na sede do Clube Português de Banda Desenhada, realiza-se mais uma palestra do ciclo “A Lei da Selva de Eduardo Teixeira Coelho”, que será igualmente apresentada por Mestre José Ruy, autor do powerpoint que ilustrará essa sessão, com numerosos exemplos da arte magistral de E.T. Coelho.

Aproveitamos a oportunidade para mostrar seguidamente algumas imagens da sessão anterior, realizada em 22 de Abril p.p., que embora pouco concorrida mereceu o interesse e o aplauso de todos os presentes, premiando o mérito da obra e a feliz ideia de José Ruy de homenagear um dos mais célebres trabalhos de E.T. Coelho para O Mosquito, recentemente reeditado, pela primeira vez, em álbum.

As fotos são de Dâmaso Afonso, activo membro do CPBD, a quem saudamos com amizade, agradecendo novamente a prestimosa colaboração que tem oferecido a todos os blogues da nossa Loja de Papel.


“TERRY E OS PIRATAS” – UMA SÉRIE INESQUECÍVEL REEDITADA POR JOSÉ PIRES

Imparável, cheio de energia e de uma regularidade impressionante, na sua actividade de faneditor, José Pires lançou este mês mais dois números dos seus excelentes fanzines Fandclassics e Fandwestern, o primeiro dedicado, na fase actual, à famosa série Terry e os Piratas, criada pelo mestre Milton Caniff em 1934, e que neste fanzine irá ter reprodução integral, dividida por 24 volumes, com 70 páginas cada.

Um esforço digno de apreço, tanto mais que se trata do melhor período desta série, quase inédito no nosso país, e que José Pires conta divulgar no espaço de dois anos!

Quanto ao Fandwestern, fanzine mais antigo e de prestigiosas tradições, publica neste número outro episódio da série fetiche de José Pires: Matt Marriott, a inolvidável criação de Tony Weare (desenhos) e James Edgar (argumento), estreada entre nós no Mundo de Aventuras, em finais dos anos 1950, com o nome de Calidano, o Justiceiro.

Recorde-se que Terry e os Piratas teve estreia em Portugal n’O Mosquito nº 1313 (1952) — mas já na fase desenhada por George Wunder —, continuando em publicação até ao seu último número (1412). Outros episódios com a assinatura do mesmo desenhador surgiram também no Leão (suplemento do semanário Titã) e no Mundo de Aventuras; mas onde a série teve mais impacto foi efectivamente n’O Mosquito.

A capa que a seguir apresentamos é da autoria de José Ruy.