“TERRY E OS PIRATAS” – 11º VOLUME (NOVEMBRO 2017)

Acalentado pelo êxito deste fanzine, com os primeiros episódios de uma emblemática série clássica, a maioria dos quais inéditos, durante décadas, em Portugal, José Pires continua a divulgar mensalmente, com infalível regularidade, as trepidantes e exóticas peripécias de Terry e os Piratas, vividas por um adolescente de espírito aventureiro e pelos seus fieis amigos nas longínquas regiões da China onde imperam ainda os “senhores da guerra” e a majestosa Dragon Lady — outra inesquecível personagem criada por Milton Caniff — dita também as suas leis.

Recorde-se que quando George Wunder tomou conta da série, substituindo Caniff (que partira para outras aventuras), os leitores d’O Mosquito puderam também travar conhecimento com a Dragon Lady, cuja presença ao lado de Terry (já mais crescido), e de outros comparsas, era incontornável.

A série está planeada para 25 volumes (todo o período escrito e desenhado por Caniff), com número uniforme de páginas, ao preço de 15 euros, que serão publicados até Janeiro de 2019, mantendo sempre a cadência mensal, como é firme propósito de José Pires. As encomendas podem ser-lhe feitas directamente, através do e-mail gussy.pires@sapo.pt

Advertisements

REQUIEM POR FERNANDO RELVAS (1954-2017)

Como já foi largamente noticiado, Fernando Relvas, um dos mais talentosos autores portugueses de BD, morreu com 63 anos, em 21 de Novembro p.p., vítima de pneumonia, depois de ter sido sujeito a uma operação no Hospital Egas Moniz, de onde foi transferido para o Amadora-Sintra. O funeral realizou-se hoje, no cemitério de Barcarena.

Justamente considerado por Nelson Dona, diretor do Festival Amadora BD, como um dos “autores-chave da BD portuguesa contemporânea, que trabalhou em todo o tipo de BD com registos gráficos brilhantes muito diferentes, e também em narrativas diversas, desde a infantil até à que era só para adultos”, Fernando Relvas, nascido em Lisboa em 20 de Setembro de 1954, publicou os seus primeiros trabalhos em meados da década de 1970, somando, desde então, colaborações em várias revistas de BD, nomeadamente Fungagá da Bicharada, Tintin, Mundo de Aventuras e Selecções BD, nos semanários Se7e e Sábado e no jornal Diário de Notícias. Ultimamente, utilizava também os meios digitais e criara blogues, como o Urso Relvas, onde escrevia textos inspirados.

Algumas das histórias publicadas na imprensa foram, mais tarde, compiladas em álbum, como “Karlos Starkiller”, “Çufo”, “Em Desgraça”, “As Aventuras do Pirilau: O Nosso Primo em Bruxelas” e “L123/Cevadilha Speed”. Em 2012, saiu o álbum “Sangue Violeta e Outros Contos” — englobando as histórias “Sangue Violeta”, “Taxi Driver” e “Sabina”, publicadas no Se7e —, premiado como clássico da Nona Arte no Festival de BD da Amadora.

A extensa obra de Fernando Relvas, interrompida nos últimos dois anos, devido à doença de Parkinson de que sofria, foi apresentada várias vezes na cidade da Amadora, capital portuguesa da Banda Desenhada, onde morava com a artista plástica Anica Govedarica, que conheceu na Croácia e com quem estava casado desde 2010.

Entre Janeiro e Abril do ano em curso, a Bedeteca da Amadora foi cenário da exposição retrospectiva “Horizonte, Azul Tranquilo”, que o seu organizador, Pedro Moura, descreveu como “uma obra maior no panorama nacional, ainda que sob muitos aspectos fragmentária (…), um verdadeiro sismógrafo da sociedade portuguesa e global das últimas décadas”. A exposição exibia trabalhos de Fernando Relvas publicados em fanzines, em revistas como o Tintin e noutra imprensa, como o semanário Se7e, onde deu largas, durante vários anos, a um imaginário ousado e irreverente e a uma veia gráfica experimentalista.

Em declarações à Agência Lusa, Pedro Moura sintonizou a carreira de Relvas com “um percurso nervoso por entre géneros e humores, métodos e técnicas, veículos de publicação e modos de produção e circulação, que servirá de retrato de uma incessante e intranquila busca pela expressividade própria da banda desenhada”.

Recorde-se também a exposição “Fernando Relvas e a Revista Tintin”, inaugurada em 16/5/2014 no extinto CNBDI (Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem), onde hoje se localiza a sede do CPBD (Clube Português de Banda Desenhada). Essa mostra assinalou a entrada da obra de Fernando Relvas, Prémio Nacional Amadora BD 2012, na importante e vasta colecção de originais da CMA/CNBDI, actualmente depositada na Bedeteca da Amadora.

Em finais de Outubro p.p., Relvas teve ainda a satisfação de assistir à abertura da sua nova mostra, na Galeria Artur Bual, integrada no 28º Festival Amadora BD, com uma abordagem retrospectiva (e não só) da sua obra, organizada por João Miguel Lameiras. Menos de um mês depois, partiu para o paraíso dos grandes artistas, onde descansará em paz, eternamente…

Este blogue, em homenagem à sua memória, está a preparar a apresentação de uma história publicada n’O Mosquito nº 2 (5ª série), Junho de 1984, cujos originais já estiveram também patentes na Bedeteca da Amadora. Infelizmente, foi a única colaboração que Relvas, sempre disperso por múltiplos projectos, prestou àquela revista — última “reencarnação” do mais emblemático título da BD portuguesa —, onde surgiu ao lado de autores como Jordi Bernet, Juan Gimenez, Esteban Maroto, Mandrafina, Antonio Hernandez Palácios, Eduardo Teixeira Coelho, Estrompa e Augusto Trigo.

Nota: este artigo utilizou algumas informações extraídas do DN Artes online.

O REGRESSO DE TOMMY – 9

Seguro da sua impunidade, Hércules, o chefe do bando de chantagistas, continua a extorquir dinheiro a Mr. Bingham, sob a ameaça de lhe causar grandes prejuízos, pois os seus homens estão infiltrados entre os trabalhadores do circo. Mal sabe ele que Tommy e os seus amigos não dormem… e que o audacioso rapaz já tem um plano para libertar “Molho de Carne” e, ao mesmo tempo, pôr todo o bando fora de acção, com o auxílio da polícia.

Leiam o último episódio deste caso que agitou a supersticiosa gente do circo, convencida de que os acidentes provocados pelo bando, para causar alarme entre a pequena comunidade, eram efeito de bruxedo… um flagelo cujas consequências imprevisíveis podiam pôr em perigo a própria existência do circo. Até Mr. Bingham chegou a acreditar nisso! Mas Tommy não era tão ingénuo nem tão supersticioso como os seus colegas (incluindo “Molho de Carne” e Sue), e não tardou a descobrir o fio da meada.

As tiras seguintes, com data de 5 a 24 de Janeiro de 1948, foram publicadas n’O Mosquito nºs 962/965 e 967 (no nº 966, Tommy fez “gazeta”). E vem aí nova aventura…

QUATRO HOMENAGENS A RAUL CORREIA – 1

Quando fui coordenador da 2ª série do Mundo de Aventuras, entre 1974 e 1987 (do nº 33 até ao nº 589 e último), consegui realizar alguns sonhos de juventude, entre eles o de travar conhecimento e amizade com muitos dos autores da BD portuguesa que mais admirava — como Vítor Péon, Orlando Marques, Roussado Pinto, José Garcês, Artur Correia, Artur Varatojo, António Barata, Fernando Bento, Adolfo Simões Müller —, cujas histórias, em prosa e em desenhos, tinha lido com entusiasmo nas páginas das minhas revistas preferidas: O Mosquito, Diabrete, Mundo de Aventuras, Cavaleiro Andante, Titã, Jornal do Cuto e outras.

O único que conheci nos meus tempos de juventude — além de Baptista Mendes, meu colega de turma no Liceu Gil Vicente, e de Carlos Roque, meu vizinho de bairro — foi José Ruy, que aceitou publicar na sua edição d’O Mosquito (2ª série) um conto de aventuras onde “luziam” as minhas modestas primícias literárias. E não só o publicou como o ilustrou…. em conjunto com outro desenhador que eu também muito apreciava, mas que só vim a conhecer mais de uma década depois: José Garcês.

Todos estes talentosos e ilustres autores me deram a honra de colaborar na 2ª série do Mundo de Aventuras, alguns com trabalhos inéditos, desde capas, contos, artigos e ilustrações até histórias aos quadradinhos.

Entre os homens de letras, cuja colaboração nessa série foi também das mais valiosas — a começar por Roussado Pinto, na altura ainda em plenas funções como director do Jornal do Cuto e de outras revistas da sua editora Portugal Press —, é forçoso destacar o nome e os méritos de Raul Correia, um dos carismáticos fundadores e directores d’O Mosquito, que ficou conhecido, para a posteridade, como o “Avozinho” de saudosa memória que escrevia líricos poemas lidos fervorosamente pela juventude — e mais tarde colaborador também do Jornal do Cuto.

Depois de Orlando Marques e Lúcio Cardador, foi ele o terceiro novelista d’O Mosquito a aparecer nas páginas do Mundo de Aventuras, onde decidi fazer-lhe uma pequena homenagem, com a colaboração de dois dos seus maiores admiradores (e ex-discípulos), Roussado Pinto e Orlando Marques, e também de dois distintos articulistas que, tal como eu, acalentavam ainda no espírito a inefável emoção com que tinham lido, noutros tempos, os seus contos, poemas e novelas de aventuras.

Aproveitando a reedição de alguns desses contos no Mundo de Aventuras, com magníficas ilustrações de Augusto Trigo, pedi aos meus quatro colaboradores — Roussado Pinto, Orlando Marques, A. J. Ferreira e A. Dias de Deus — que expressassem o seu parecer crítico sobre as obras e o estilo literário de Raul Correia, cuja fundamental importância como director literário e editor d’O Mosquito era por todos unanimemente reconhecida.

Resgatado das páginas do Mundo de Aventuras nº 429 (31/12/1981), eis o primeiro desses artigos, pela pena de Roussado Pinto, bem como um conto policial de Raul Correia, “Jim Daddy”, publicado no mesmo número (e já apresentado nesta rubrica, mas na sua versão original, com ilustrações de Vítor Péon).

Escuso de realçar, à distância de 36 anos, o valor histórico que ainda hoje possui esse depoimento de Roussado Pinto, em que transparece emotivamente uma análise mais sentimental do que crítica, ditada pela amizade e admiração sem limites que nutria por Raul Correia, desde o tempo em que o conhecera na redacção d’O Mosquito — onde também trabalhou, durante alguns meses, depois da sua efémera experiência como editor d’O Pluto.

IMAGENS DO PASSADO – EXCURSÃO A BARCELONA (1)

Foto do “Grupo de Lisboa”, com alguns dos visitantes portugueses que se deslocaram ao 4º Salón del Comic de Barcelona (Maio 1984). A comitiva foi recebida pelo autor de tebeos Juan Espallardo (ainda hoje muito activo, na terra onde vive, como professor de Desenho Artístico), que também figura na imagem, segurando um exemplar do novo Almanaque O Mosquito (Editorial Futura).

Da esquerda para a direita: 1º plano, Eugénio Silva (de cócoras); 2º plano, Chaves Ferreira (director da Editorial Futura), Juan Espallardo, Catherine Labey, José Ruy, Jorge Magalhães e António Alfaiate.

Na mala do Dr. Chaves Ferreira ia também o 1º número da 5ª série d’O Mosquito, lançada em Abril desse mesmo ano, que seria oferecido a Jesús Blasco e a outros artistas espanhóis que já eram colaboradores da Editorial Futura ou que viriam, em breve, a sê-lo. O nosso grupo — de que também faziam parte o Luís Diferr e o Geraldes Lino — viajou de autocarro até Barcelona (com excepção do Lino, que preferiu a via aérea), onde permaneceu três dias, regressando no domingo, dia 20 de Maio, pelo mesmo transporte.

Nesse domingo, de manhã, fizemos uma visita obrigatória às ramblas e ao mercado onde se realiza a maior feira de alfarrabistas de Barcelona, dedicada somente a livros, revistas, discos, cartazes e algum outro material de colecção, com grande incidência nas publicações de tebeos, isto é, de banda desenhada. Na foto que se segue, é manifesto o interesse e a curiosidade com que eu e o Geraldes Lino vivemos esses momentos, deixando-nos atrair por alguns dos artigos expostos nas bancas… mas sem perder a cabeça, abrindo os cordões à bolsa! (Por que estariam aqueles dois “maraus” com um ar de tanto gozo? Confesso que não me lembro…)

Falta ainda recordar um pitoresco episódio que quase ia comprome- tendo o desfecho da viagem, pelo menos para um de nós. Na festa de encerramento do Salón, que acabou animadamente numa espécie de restaurante/discoteca — com a presença de ilustres autores do país vizinho (naturais e residentes), como Jesús Blasco, Puigmiquel, Garcia Iranzo, Juan Gimenez, José Ortiz, Manfred Sommer e Alberto Breccia —, o Eugénio Silva quis mostrar a sua “costela” espanhola, armando-se em dançarino, mas teve azar, deu um passo em falso e partiu um pé. Felizmente, depois de assistido no hospital, pôde regressar a casa com os companheiros de viagem e não perdeu o bom humor, continuando a ser o “rei da paródia”, apesar do pé engessado, das muletas e do frio que rapámos todos ao atravessar, de noite, a Serra de Guadarrama.

É que no autocarro não havia mantas para os passageiros se agasalharem e o aquecimento não funcionava! Resultado: ninguém conseguiu pregar olho e a noite foi passada na chalaça uns com os outros, com grande arrelia de um casalinho sentado ao pé de nós… que se esforçava em vão por dormir no meio dessa algazarra! Mas, assim, a viagem de regresso até nos pareceu mais curta.

Jorge Magalhães

Jorge Magalhães, Catherine Labey e Dr. Chaves Ferreira, a equipa da Editorial Futura responsável pela 5ª série d’O Mosquito, defronte do recinto onde teve lugar o 4º Salón del Comic de Barcelona, horas antes do seu regresso a Portugal

AMADORA BD 2017 – UM FESTIVAL QUE TEM POR TEMA A REPORTAGEM

Cumprindo uma tradição já com 28 anos, o Amadora BD está de novo em destaque, no final deste mês de Outubro (é oficialmente inaugurado hoje, sexta-feira, dia 27, no Fórum Luís de Camões, e encerra em 12 de Novembro), com um programa subordinado ao tema “A Reportagem na Banda Desenhada”.

Pontos fortes: as exposições evocativas O Espírito de Will Eisner Jack Kirby – 100 anos de um Visionário, em homenagem a dois “monstros sagrados”, ambos já centenários, pelo extraordinário contributo que deram a um dos meios de expressão mais dinâmicos do nosso tempo, revolucionando graficamente a forma de contar histórias; e a exposição dedicada a Nuno Saraiva, autor da obra Tudo Isto é Fado, prémio de Melhor Álbum Português em 2016.

Da sua autoria é também o “populoso” cartaz do Festival, acima reproduzido, em cuja parte inferior é bem visível a imagem de um “mosquito”, idêntica à ladina figura do “insecto” mais bonito, que recheou os cabeçalhos da emblemática revista nascida em 1936, na mesma localidade da Amadora, por obra de António Cardoso Lopes Jr. (Tiotónio) e Raul Correia. O primeiro até se juntou ao seu “pupilo”.

Outro pormenor digno de nota é a presença de dois “monstros sagrados” da BD portuguesa, ligados desde sempre ao Festival: José Garcês, no 1º plano, junto de um magnífico tigre, o seu animal favorito, e José Ruy, ao alto, de pincel em punho, o precioso instrumento de trabalho que não larga há mais de 70 anos.  

JOSÉ GARCÊS: AS PRIMEIRAS ETAPAS (1946/1950) – 1

O Mosquito foi, sem dúvida, um verdadeiro banco de ensaio para os principais desenhadores portugueses da década de 1940: Vítor Péon, E.T. Coelho, Jayme Cortez, José Garcês, José Ruy. Só por lá não passaram Fernando Bento, Júlio Gil e António Barata.

Nem sequer havia uniformidade de estilos na revista dirigida artisticamente por António Cardoso Lopes Jr. (Tiotónio). O que havia era juventude, entusiasmo, arrojo, fantasia, inovação, mesmo quando algumas influências saltavam à vista. Diz-se que E.T. Coelho, considerado o mais talentoso desse grupo de novos ilustradores, criou uma “escola”, influenciando quase todos os artistas de Banda Desenhada da sua geração. Curiosamente, é fora d’O Mosquito (com excepção de José Ruy) que vamos encontrar, mais tarde, os seus “discípulos”. Mesmo quando Péon era acusado, por alguns sectores, de copiar Coelho, já se descobria nas suas histórias aos quadradinhos o gérmen de um estilo pessoal, que acabaria por evoluir noutra direcção. Péon nunca se limitou a ser um ilustrador; Coelho, por vezes, ressentia-se disso. Os leitores chegaram, em certa altura, a preferir o primeiro ao segundo, e lá sabiam porquê.

Vem todo este arrazoado a propósito de um jovem desenhador — tinha, então, 18 anos — que se estreou n’O Mosquito nº 762, de 12 de Outubro de 1946, com uma HQ que já denotava as suas reais capacidades. Era um estilo novo, diferente de tudo o que já se tinha visto no jornal, embora quem examinasse atentamente os desenhos se aperce- besse da influência, mais subtil do que profunda, do mestre norte-americano Burne Hogarth, o mais famoso desenhador de Tarzan. Essa história intitulava-se “O Inferno Verde” e o seu autor era J. Garcês — assinatura num canto do último quadradinho, que iria tornar-se rapidamente conhecida.

O estilo era correcto e meticuloso, e assim permaneceria até hoje (exceptuando alguns trabalhos realizados em épocas mais conturbadas, quando as preocupações familiares e a falta de tempo, pois era desenhador-litógrafo do Serviço Nacional de Meteorologia, pesavam sobre o artista). À harmonia de linhas e de formas opunha-se um certo estatismo da expressão corporal, compensado pela perfeição dos enquadramentos e dos cenários, embora já se manifestasse a tendência para o plano geral. Há a registar, também, o bom emprego das sombras e do tracejado, importante meio estético que Garcês já demons- trava dominar com segurança.

Depois dessa promissora estreia, apare- ceram n’O Mosquito, durante os dois anos seguintes, mais três histórias com a sua assinatura: “O Império Enlutado” (2ª vinheta), “O Segredo das Águas do Rio” e “A Maldição Branca”. Os progressos foram árduos e lentos, mas era notória a aptidão narrativa e o à vontade com que o novel artista retratava personagens e ambientes exóticos — sem excluir o cenário, tão popular entre a juventude, do turbulento Oeste americano.

Na última etapa, o seu estilo já amadurecera o suficiente para figurar em primeiro plano num jornal que continuava a publicar duas das melhores histórias de E.T. Coelho, “O Caminho do Oriente” e “A Lei da Selva”, e onde se estreara pouco antes outra obra-prima, o Príncipe Valente, de Harold Foster (que se tornaria o seu desenhador favorito).

Os balões estavam ausentes, mas a maioria dos desenhadores portugueses dessa época ainda não se tinham afeiçoado à moderna linguagem dos comics americanos, apesar do exemplo dos artistas catalães que, a partir de meados dos anos 1940, revolucionaram O Mosquito: Jesús e Alejandro Blasco, Emilio Freixas, Puigmiquel, Carlos Roca, etc.

Cremos que a regra das legendas em didascálico, que duraram até ao último número, foi imposta por Raul Correia, director literário d’O Mosquito (embora Cardoso Lopes raspasse todos os diálogos das HQ inglesas, há balões em muitas das suas histórias), pois é um facto que Raul Correia sempre preferiu trabalhar com legendas, onde a sua veia de prosador e poeta podia espraiar-se à vontade. São dele, aliás, todos os textos das histórias publicadas n’O Mosquito, não só das que traduziu e adaptou (espanholas, francesas, inglesas e americanas), como dos originais portugueses de Coelho, Péon, Garcês, Cortez e, mais tarde, José Ruy e Monteiro Neves.

Aluno da Escola António Arroio e do Mestre Rodrigues Alves, que lhe incutiu uma sólida formação artística, Garcês revelou grande habilidade, desde o início da sua carreira, para a execução de presépios e construções de armar (esta última, uma modalidade que esteve muito em voga nas revistas infanto- -juvenis da primeira metade do século XX e que ele cultivou com grande sucesso).

Mais tarde, ao ingressar na revista feminina Modas e Bordados e nos semanários infantis Lusitas e Camarada, viria a especializar-se num tema a que poucos desenhadores podem habilitar-se sem estarem para tal devidamente preparados: a BD histórica. Escolha que, se por um lado contribuiu para a sua consagração oficial (como ele próprio admite), serviu também, durante algum tempo, para alimentar as críticas (preconceituosas e pouco fundamentadas) de muitos detractores desse género de narrativas.

Mas são as produções da sua juventude (como “Fathma”, “Rumo a Oriente”, “A Princesa e o Mágico”, “A Ave Encantada”, “As Três Princesas Cristãs”), fantásticas, alegóricas e barrocas, aliando a poesia do fundo à delicadeza da forma, que muitos dos seus leitores de antanho continuam a recordar — e talvez até a preferir.

A seguir: “O Inferno Verde”, história publicada nos nºs 762 a 769 d’O Mosquito.

A predilecção de J. Garcês,  no início da sua carreira, por temas fantásticos e ambientes feéricos está bem patente nesta história (Camarada, 1949)