CUTO, HERÓI DE UMA GERAÇÃO – 3

mosquito-531-cuto-753Depois de “O Ardina Detective”, cujo êxito excedeu todas as expectativas, Cuto tornou-se a nova “coqueluche” dos leitores d’O Mosquito. As duas grandes aventuras publicadas seguidamente no jornal infantil português de maior tiragem dessa época, “Sem Rumo” e “O Mundo Perdido”, eram também oriundas do semanário Chicos, onde surgiram durante os anos de 1941 a 1943, com o mesmo título em versão espanhola: “Sin Rumbo” e “El Mundo Perdido”.

Jesús Blasco deu um grande salto em frente nestes episódios, demonstrando já um perfeito domínio dos códigos narrativos das histórias realistas (lembremos que ele começou a sua carreira como desenhador humorístico, bastante influenciado pelo estilo de Floyd Gottfredson, Ub Iwerks e outros colaboradores dos Estúdios Disney), ao mesmo tempo que dava também largas ao seu gosto pelo mistério, o horror e o fantástico.

Todos esses “ingredientes”, que Blasco soube manipular com mestria noutras aventuras de Cuto, como “O Castelo do Terror”, “Tragédia no Oriente” e “A Ilha dos Homens Mortos”, transformaram o cenário e o argumento de “Sem Rumo” e “O Mundo Perdido” numa espécie de “pesadelo” exótico, capaz de deixar os leitores sem fôlego em muitas cenas em que o horror e a crueldade estão bem patentes e as vidas de Cuto e dos seus parceiro(a)s de aventuras parecem presas por um fio, naqueles recônditos e sinistros domínios, governados por tiranos (uma ilha perdida do Pacífico e o misterioso reino egípcio oculto sob as areias do deserto), onde todos os perigos, incluindo os da natureza, se conjuram contra eles. E será sempre assim nas posteriores aventuras de Cuto, sobretudo as de maior importância, como uma melodia fúnebre que repete sistematicamente as mesmas notas…

Por outro lado, é de realçar (fruto de uma rápida e notável evolução) o uso frequente de onomatopeias e de balões ideográficos, assim como o tratamento mais realista que Blasco começava a dar aos ambientes e aos personagens secundários — estes, às vezes, com um papel tão destacado como o de Cuto —, em contraste com os traços caricaturais que o seu pequeno e fogoso aventureiro continuava a manter, imitando outros heróis (sobretudo na BD americana) de personalidade muito semelhante.

Apresentamos seguidamente mais duas páginas do jornal O Louletano — onde se inseria a magnífica rubrica 9ª Arte, coordenada pelo nosso saudoso amigo José Batista (Jobat) —, com a conclusão da aventura “Cuto em Nápoles”, inicialmente publicada n’O Gafanhoto, entre os nºs 10 e 17 (Janeiro-Março de 1949), cujas páginas também aqui se reproduzem.

A título de curiosidade, repare-se na última vinheta desta história, com uma imagem que podemos apelidar de natalícia, diferente da que surge na versão publicada pel’O Louletano. Tudo indica que essa imagem foi alterada mais tarde por Jesús Blasco, a pretexto de alguma reedição, nomeadamente a que foi dada à estampa na Colecção Jaguar nº 2 (Novembro de 1971), edição da Portugal Press — publicada também no Almanaque O Mosquito 1984, de onde foi extraída a d’O Louletano. A versão original de “Cuto em Nápoles” surgiu no Almanaque Chicos 1948, publicado em finais do ano anterior.

cuto-louletano-3

cuto-louletano-4

cuto-em-napoles-7-e-8

CUTO, HERÓI DE UMA GERAÇÃO – 2

Cuto, um herói hoje um pouco esquecido, mas que foi um dos meus predilectos e de toda a minha geração (tanto aqui em Portugal, como no seu país de origem, a Espanha), estreou-se n’O Mosquito em 6/5/1944, concretamente no nº 508, com a sua primeira aventura “O Ardina Detective”, oriunda da revista Chicos, onde surgiu no nº 143, de 28/11/1940. Nessa história, Cuto era um simples vendedor de jornais, vivendo pelos seus próprios meios em Nova Iorque, isto é, sem ter aparentemente laços familiares na grande metrópole americana. Graças à sua audácia, à sua certeira pontaria com uma arma e à sua espantosa agilidade, o pequeno ardina conse- guia enfrentar e entregar à polícia uma famigerada quadrilha de gangsters, recebendo, por esse feito, a avultada recompensa de 10.000 dólares!

Só mais tarde, depois de regressar a Portugal (pois O Mosquito, sem se fazer rogado, rebaptizou-o prontamente, chamando-lhe “the portuguese kid), Cuto abraçaria outras profissões, como explorador, piloto de aviões (no álbum inédito em português, “El Pajaro Azul”), desportista, cowboy (por acidente), vendedor de automó- veis… e até repórter de um grande periódico, continuando a viver nos Estados Unidos, mas na costa oeste, em S. Francisco, sem perder a vocação de incansável trota-mundos.

O Mosquito publicou muitas das suas aventuras entre 1944 e 1950, com destaque para “Tragédia no Oriente” e “Nos Domínios dos Sioux”, que os críticos (e também os leitores desse tempo) consideram duas obras-primas da BD espanhola dos anos 40. O último episódio que surgiu n’O Mosquito foi “A Ilha dos Homens Mortos” e só depois disso Cuto “saltou” para o Mundo de Aventuras, onde permaneceu durante algum tempo, sem conseguir o mesmo êxito que obtivera na revista de acolhimento, durante um largo período. Verdade se diga que mesmo em Espanha já estava em queda de popularidade…

Quanto a’O Gafanhoto, pequeno bissemanário criado por António Cardoso Lopes Jr. depois de se ter desligado d’O Mosquito, em finais de 1948, publicou também, a partir do seu nº 21, uma das melhores aventuras da fase intermédia de Cuto, “O Caso dos Rapazes Desaparecidos”, cuja temática policial agradou em cheio aos leitores.

jornal-do-cuto-126Nos anos 70, para o emblemático Jornal do Cuto, Jesús Blasco chegou a desenhar novas histórias com o seu herói, portanto inéditas ainda em Espanha, como foi o caso de Hampa Mundial Inc, terminada por Adriano Blasco, já depois da morte dos dois irmãos mais velhos.

Apresentamos seguidamente mais duas páginas do jornal O Louletano — onde se inseria a magnífica rubrica 9ª Arte, coordenada pelo nosso saudoso amigo José Baptista (Jobat) —, com a continuação da aventura “Cuto em Nápoles”, inicialmente publicada n’O Gafanhoto, entre os nºs 10 e 17, cujas páginas também aqui se reproduzem.

(Nota: para ver as imagens em toda a sua extensão, clicar duas vezes sobre as mesmas).

cuto-louletano-1

cuto-louletano-2

CUTO, HERÓI DE UMA GERAÇÃO – 1

JESÚS BLASCO, O PAI DE CUTO

unnamedEm 2 de Fevereiro de 2009, o jornal “O Louletano”, editado em Loulé e ao  serviço, durante muitos anos, daquela ridente região algarvia, começou a publicar na sua rubrica 9ª Arte, excelentemente dirigida pelo saudoso José Batista (Jobat) — a cuja obra artística O Gato Alfarrabista tem prestado significativas e merecidas homenagens —, uma série de artigos em que evocava a memória de outro grande autor de BD, o mestre catalão Jesús Blasco, e a figura de um dos seus maiores personagens, que ainda hoje perdura no imaginário de muitos leitores que acompanharam as suas aventuras n’O Mosquito e no semanário espanhol Chicos, onde Jesús Blasco se confirmou como um dos grandes valores da moderna historieta, na esteira dos mestres americanos que tanto admirava.

alejandro-blasco-nos-anos-40Esse herói que nasceu modestamente nos tebeos do país vizinho, em páginas de cariz cómico, mas não tardou a tornar-se um dos mais célebres em toda a Península Ibérica, chamava-se Cuto, nome inspirado na alcunha familiar de um dos irmãos de Jesús Blasco, o azougado Alejandro, que também se dedicaria com talento às histórias aos quadradinhos, seguindo as pisadas do primogénito, por quem todos no clã Blasco nutriam uma devoção sem limites. Claro que fisicamente Alejandro não era nada parecido com Cuto, nem sequer tinha o mesmo espírito aventureiro, mas para a história e a lenda dos tebeos ficou para sempre como o seu modelo inspirador. Curiosamente, Cuto surgiu pela primeira vez numa publicação chamada Boliche, cujo título já quase caiu no esquecimento, associado a uma pandilha de garotos travessos. Cuto, Gurripato y Camarilla era o nome (intraduzível em português) dessa série, que teve relativo sucesso nas páginas do Boliche.

Cuto (Boliche)Aliás, foi só noutra revista de popularidade e prestígio muito maiores (nascida em plena Guerra Civil espanhola) que Jesús Blasco encontrou terreno propício para ressuscitar o seu herói humorístico, dando-lhe traços menos caricaturais e dotando-o de uma personalidade tão intrépida e irrequieta que caiu imedia- tamente no goto dos leitores. O êxito e a fama do novo herói do Chicos propa- garam-se como faísca num rastilho,  não tardando a atrair as atenções dos editores de uma revista que em Portugal gozava também de grande popularidade junto do público juvenil: O Mosquito.

Todo esse extraordinário trajecto de Cuto — bem como da fulgurante carreira de Jesús Blasco, que transpôs fronteiras, grangeando um renome crescente em muitos mercados europeus e americanos —, está narrado nos artigos (da autoria de José Antunes e Jorge Magalhães) que hoje começamos a apresentar, extraídos das páginas d’O Louletano onde se inseria a rubrica 9ª Arte, publicada como o resto do jornal a preto e branco.

Gafanhoto nº 10Tal facto era bastante lamentado por José Batista, que tinha plena consciência da desvalorização que sofriam com esse tratamento tipográfico imagens e histórias que tinham sido previamente publicadas a cores.

Por esse motivo, iremos também reproduzir, em simultâneo, as páginas da história “Cuto em Nápoles”, originalmente dada à estampa num almanaque do Chicos (1948) e estreada em Portugal n’O Gafanhoto (1949), revista com que António Cardoso Lopes (Tiotónio) procurou colmatar uma lacuna, depois da sua saída d’O Mosquito.

(Nota: a título de curiosidade, informamos que a versão de “Cuto em Nápoles” que surgiu na 9ª Arte é oriunda do Almanaque O Mosquito 1985, publicado em finais do ano anterior pela Editorial Futura, responsável por aquela que foi a última “reencarnação” da famosa revista criada em 14 de Janeiro de 1936 por Cardoso Lopes  e Raul Correia).

Ao apresentarmos estes artigos, extraídos de um jornal regional que provavelmente muitos dos bedéfilos que nos acompanham nunca leram, queremos recordar a figura de um mítico personagem dos quadradinhos, autêntico herói de uma ou mais gerações, e também prestar homenagem à memória do seu genial criador e de outros grandes artistas, como José Batista e José Antunes, que, ainda muito jovens, foram fortemente influenciados pelas obras que admiravam, com um olhar extasiado, nas páginas encantatórias d’O Mosquito.

Blasco, o pai de Cuto - 1

Blasco, o pai de Cuto - 2

Blasco, o pai de Cuto - 3

Blasco, o pai de Cuto - 4

Cuto em Nápoles 1 e 2 copy

Cuto em Nápoles 3 e 4