O CAMINHO DO ORIENTE A CORES – 2º volume

O José Pires não pára mesmo!  Aqui vêm bem quentinhas a capa e 2 páginas do 2º volume. Delectem-se!!!

Advertisements

O CAMINHO DO ORIENTE A CORES

O José Pires não pára! Neste Centenário (o 1º, como ele diz!) de Eduardo Teixeira Coelho, vulgo ETC, decidiu dar a cor a esta obra magistral que é O Caminho do Oriente, cuja edição em álbuns a preto e branco, nos gloriosos tempos da Editorial FUTURA, foi coordenada pelo Jorge Magalhães e legendada por mim directamente no fotolito (ainda não estávamos na era digital).

O Jorge estaria, de certeza, empolgado com essa iniciativa de Gussy a quem desejo o maior êxito nessa publicação.

                                                                             Catherine Labey

MEMÓRIAS À VOLTA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS (POR JOSÉ RUY) – 3

Depois da interrupção forçada da publicação desta história [«O Reino Proibido»] em O Mosquito, como contei nos artigos anteriores, entreguei em mão ao Raul Correia as duas últimas pranchas, que ele fez publicar a partir da semana seguinte. Mas algo se modificara no jornal.

Raul Correia tinha decidido alterar mais uma vez o formato, desdobrando a folha de máquina e, desta maneira, ficando com metade das páginas, pois o formato de cada uma, agora, ocupava duas das anteriores.

Como eu sempre fiz os originais ao dobro, ou seja, quatro vezes o tamanho da publicação, para o novo formato ainda reduziu um pouco.

As duas últimas páginas de «O Reino Proibido», publicadas n’O Mosquito nºs 1385 e 1386

Como este final da narrativa saiu nas páginas do interior do jornal, não levaram cor. O rapaz que me servia de modelo para essa história era um conhecido do Coelho, que pertencia a uma corporação de bombeiros. À noite, ia ao nosso ateliê, na Calçada do Sacramento, para posar.

Mostro, a seguir, alguns estudos para as figuras da última página.

Capa d’O Mosquito, no novo formato 30x22cm, onde terminou «O Reino Proibido» (nº 1386)

O Eduardo Teixeira Coelho voltara a colaborar nas páginas do jornal, com uma das suas melhores fases, ilustrando os contos de Eça de Queirós. Dois números a seguir a este, no 1388, iniciou ele o «São Cristóvão», que ficaria incompleto pela interrupção da publicação, ao fim de dezassete anos de vida, não conseguindo resistir à poderosa concorrência do Cavaleiro Andante e do Mundo de Aventuras. Faltou-lhe o «dedo mágico» do Tiotónio para reverter a situação, mas este encontrava-se no Brasil, em outras actividades.

A minha, além da paixão pela ilustração, era a arte gráfica, e foi por essa via que fui convidado a ingressar na equipa da «rotogravura» (gravura em cobre) do conceituado Diário de Notícias.

Estava em projecto um semanário de actualidades, que se chamaria Esfera, dirigido pelo Leitão de Barros. O Coelho seria o colaborador artístico principal e eu teria a função de paginar, desenhar cabeçalhos e algumas ilustrações; e como faltavam técnicos disponíveis para o processo de «rotogravura», acharam que a minha experiência no «offset» daria para me adaptar na montagem e retoque dos positivos fotográficos.

Assim foi e contrataram-me logo nessa altura, para quando a revista saísse estar logo operacional. Afinal, a revista não chegou a publicar-se, pois era necessária uma rotativa de «rotogravura» só para essa publicação e a administração da empresa tentava resolver a questão só com uma máquina de impressão «Mailander», à folha, onde imprimiam parte do Cavaleiro Andante, e que pela sua lentidão não garantia a cadência necessária. Foi o próprio Leitão de Barros quem os alertou e rescindiu o contrato.

E eu fiquei durante seis anos, acabando por me especializar no processo. Mas continuava a fazer histórias em quadrinhos.

No próximo artigo: «A minha primeira história no Cavaleiro Andante»

ANTOLOGIA DE CONTOS DE ACÇÃO: “O ICEBERG” (CONTO DE ORLANDO MARQUES)

Há muito que não publicávamos um conto nesta rubrica. Mas hoje ela regressa, em homenagem a um dos melhores colaboradores literários d’O Mosquito, que se estreou e formou na sua escola: Orlando Jorge Bertoldo Marques. Mais tarde, passou pel’O Pluto, pel’O Faísca, pelo Mundo de Aventuras e pelo Jornal do Cuto, onde deixou também indeléveis marcas do seu prolífico talento de novelista, apreciado por uma larga legião de leitores.

O conto que leram foi originalmente publicado na última fase da Colecção de Aventuras, uma revista “gémea” d’O Mosquito (no seu conteúdo e nos seus formatos), que teve vida breve (1940-1942), e foi ilustrado por Eduardo Teixeira Coelho, então no início da sua carreira, com um estilo muito diferente do que adoptou pouco tempo depois.

As páginas que reproduzimos saíram no Mundo de Aventuras nº 467 (2ª série), de 25/09/1982, onde Orlando Marques publicou também muitos contos inéditos, ilustrados por outros desenhadores. O cabeçalho da página 2 foi desenhado por Catherine Labey.

AVENTURAS NA SELVA – 3 (E. T. COELHO)

Página publicada n’O Mosquito nº 601, de 28/3/1945

Mais uma história de aventuras na selva, mas esta desenhada por E. T. Coelho e dada à estampa em 1945 n’O Mosquito, entre os nos 601 e 630. Tratou-se, aliás, da primeira incursão de E. T. Coelho nas histórias aos quadradinhos [de estilo realista, pois já antes publicara algumas “tiras” humorísticas no Engenhocas e na Filmagem], um novo passo, que os leitores saudaram com júbilo, de uma carreira já recheada de êxitos.

Como ilustrador, a sua obra é vasta e variada, dispersa por centenas de números d’O Mosquito, desde meados do ano de 1942, mas foi somente em 1944 que se estreou como autor de histórias aos quadradinhos, com dois trabalhos publicados, não em Portugal mas na revista espanhola Chicos, com a qual O Mosquito mantinha um frutuoso intercâmbio, permutando as ilustrações de E. T. Coelho com originais de Emilio Freixas e as aventuras de Cuto e Anita Pequenita desenhadas por Jesús Blasco.

Essas primeiras histórias aos quadradinhos de E. T. Coelho só apareceram n’O Mosquito em 1946, quase um ano depois de “Os Guerreiros do Lago Verde”, obra que seria também publicada em Espanha, na revista mensal Gran Chicos.

No plano formal e artístico, são poucas as diferenças entre essas histórias  uma delas passada também na selva, com o título “El Hechichero de los Matabeles” — “Os Guerreiros do Lago Verde”, o que nos leva a supor que foram todas realizadas no mesmo período, isto é, sem interrupção, desde 1944 até meados de 1945.

Mas já é patente na última o amadurecimento do estilo gráfico de E. T. Coelho e o seu domínio cada vez mais perfeito do desenho anatómico, que lhe permitia criar cenas de grande vigor e realismo, com ferozes combates entre animais selvagens ou entre aguerridas tribos africanas e exploradores brancos, bem ao gosto dos jovens dessa época, que vibravam com os filmes de Tarzan, o rei da selva, mas poucas vezes tinham visto combates semelhantes revividos nas telas de cinema com tamanha emoção.

Página publicada n’O Mosquito nº 602, de 31/3/1945