“DOM AFONSO HENRIQUES NA BANDA DESENHADA” – GICAV REALIZA EXPOSIÇÃO EM VISEU E PUBLICA ÁLBUM COM HISTÓRIA DE E. T. COELHO

Conforme notícia que atempadamente divulgámos, abriu ao público no passado dia 27 de Agosto, em pleno Pavilhão Multiusos da Feira de São Mateus, a exposição intitulada “Dom Afonso Henriques na Banda Desenhada” — uma organização do GICAV (Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu), com o apoio da Câmara Municipal daquela cidade, da Viseu Marca e do IPDJ (Instituto Português do Desporto e Juventude).

Os nossos colegas do BDBD, Luiz Beira e Carlos Rico, estiveram lá aquando da inauguração e fizeram uma reportagem fotográfica deste evento, que pode ser vista no seu blogue: http://bloguedebd.blogspot.pt/2017/09/d-afonso-henriques-na-bd-reportagem.html

Antes da abertura da exposição no Pavilhão Multiusos — segundo informa o BDBD —, teve lugar, mesmo ao lado, num pequeno mas acolhedor auditório, o lançamento oficial do álbum “D. Afonso Henriques – A Balada da Conquista de Lisboa”, narrativa extraída da obra “O Caminho do Oriente”, publicada n’O Mosquito de 1946 a 1948, com texto de Raul Correia e desenhos de Eduardo Teixeira Coelho, cuja capa gostosamente reproduzimos, com a devida vénia ao BDBD e ao GICAV.

A sessão teve início com um curto mas interessante vídeo, onde o numeroso público presente visionou imagens virtuais da nova Arena de Viseu, um magnífico espaço completamente apetrechado para receber eventos culturais e desportivos, que em breve (crê-se que dentro de um ano) tomará o lugar do Pavilhão Multiusos. A cerimónia teve a participação do Director Executivo da Viseu Marca, Dr. Jorge Sobrado, da Presidente do GICAV, Drª. Filipa Mendes, e de Carlos Almeida, coordenador do GICAV na área da BD.

Após o lançamento do álbum, seguiu-se a inauguração oficial da exposição, um conjunto de vinte painéis em grande formato, com exemplos de praticamente todas as BD’s onde a figura de D. Afonso Henriques, o Conquistador, foi retratada por desenhadores de várias gerações, entre os quais, além de E. T. Coelho, Artur Correia, Baptista Mendes, Carlos Alberto, Carlos Rico, Eugénio Silva, Filipe Abranches, Jorge Miguel, José Antunes, José Garcês, José Projecto, José Ruy, Pedro Castro, Pedro Massano, Santos Costa e Vítor Péon.

Vista parcial da exposição, com o painel dedicado a E.T. Coelho em grande plano, à direita, e ao lado o de José Antunes; também em 1º plano, de costas, o desenhador Baptista Mendes, outro autor com participação nesta grandiosa mostra (foto do BDBD).

Advertisements

NOVA PALESTRA NO CPBD SOBRE “A LEI DA SELVA” DE EDUARDO TEIXEIRA COELHO

No próximo sábado, dia 6 de Maio, na sede do Clube Português de Banda Desenhada, realiza-se mais uma palestra do ciclo “A Lei da Selva de Eduardo Teixeira Coelho”, que será igualmente apresentada por Mestre José Ruy, autor do powerpoint que ilustrará essa sessão, com numerosos exemplos da arte magistral de E.T. Coelho.

Aproveitamos a oportunidade para mostrar seguidamente algumas imagens da sessão anterior, realizada em 22 de Abril p.p., que embora pouco concorrida mereceu o interesse e o aplauso de todos os presentes, premiando o mérito da obra e a feliz ideia de José Ruy de homenagear um dos mais célebres trabalhos de E.T. Coelho para O Mosquito, recentemente reeditado, pela primeira vez, em álbum.

As fotos são de Dâmaso Afonso, activo membro do CPBD, a quem saudamos com amizade, agradecendo novamente a prestimosa colaboração que tem oferecido a todos os blogues da nossa Loja de Papel.


22 E 29 DE ABRIL: DUAS PALESTRAS NO CPBD SOBRE “A LEI DA SELVA” DE E.T. COELHO

Na continuidade das iniciativas que tem organizado com frequência na sua nova sede, o Clube Português de Banda Desenhada anuncia mais duas palestras, a realizar nos próximos dias 22 e 29 de Abril, pelas 17h00, e dedicadas, com o precioso apoio de um dos seus mais ilustres consócios, mestre José Ruy, à obra-prima de Eduardo Teixeira Coelho “A Lei da Selva”, publicada em 1948 n‘O Mosquito e reeditada finalmente em livro, há alguns meses, por Manuel Caldas.

À parte o interesse específico do tema — apresentado de forma inédita, a partir da leitura de um excelente estudo de Domingos Isabelinho —, este evento representa um grande progresso para o CPBD, que está agora equipado com meios técnicos (PowerPoint) que lhe permitem valorizar as suas sessões. 

E. T. COELHO E A PÁSCOA

Com esta ilustração da autoria de E.T. Coelho — cujo traço é perfeitamente reconhecível, apesar de estar longe da perfeição a que habituara os leitores d’O Mosquito —, O Pimpão, efémera revista juvenil criada em 18/10/1955, assinalou a Páscoa de 1956 e a sua penúltima semana de vida, pois extinguiu-se, para não mais ressuscitar, ao fim de 18 números.

Mas teve o mérito de publicar nas suas páginas, sob a direcção de Maria D. Nascimento da Silva, histórias ilustradas por artistas europeus de excelente craveira, como Calvo (Coquin e os Seus Amigos da Floresta), Jean Cézard (Yak, Caçador de Leões), Rino Albertarelli (Traição no Alto Mar), Harry Farrugia (Memórias do Inspector James), Patrick Nicolle (Os Cavaleiros da Távola Redonda), Mike Western (John Silveira, Piloto) e outros.

Foi também n’O Pimpão que Raul Correia (sob a capa do Avozinho) regressou, por breves semanas, às lides da literatura juvenil, depois de se ter despedido dos seus fiéis leitores em Fevereiro de 1953, no último número d’O Mosquito. E só ressuscitaria pela segunda vez — para ser alvo, como E.T. Coelho, Jesús Blasco e Vítor Péon, de merecida homenagem —, quando Roussado Pinto lançou o Jornal do Cuto, 15 anos depois.

SECÇÃO DOS SÁBIOS – 1

No seu nº 5, de 4/8/1971, o Jornal do Cuto começou a apresentar uma curiosa rubrica intitulada Secção dos Sábios — que era, como muitas das histórias que ilustravam as suas páginas, oriunda também d’O Mosquito, o mítico jornal infanto-juvenil a que Roussado Pinto, director/editor do Jornal do Cuto, ficara também ligado por laços profissionais (pois trabalhou na sua redacção em 1947/48), e de profunda amizade e camaradagem com os seus dois directores e fundadores: António Cardoso Lopes Jr. (Tiotónio) e Raul Correia.

seccao-dos-sabios-mosquito-361-491O que distinguia a Secção dos Sábios de outras rubricas de curiosidades eram os magníficos desenhos de E.T. Coelho, um jovem artista fora de série que começara a colaborar n’O Mosquito (e na Colecção de Aventuras) em meados de 1942, não tardando a renovar por completo o aspecto gráfico do jornal com as suas exuberantes ilustrações para cabeçalhos, capas, contos e vinhetas decorativas de toda a espécie.

Graças ao contributo deste valioso elemento, cujo estilo dinâmico e harmonioso nunca parou de evoluir, atingindo em pouco tempo um grau de inaudita perfeição, O Mosquito transfor- mou-se na revista infanto-juvenil mais lida do seu tempo, sobretudo ao passar a publicar-se duas vezes por semana (desde o nº 361).

A par das capas e dos contos recheados de ilustrações de grande beleza e efeito estético, E.T. Coelho ocupou-se também, com evidente prazer, de pequenas rubricas de curiosidades, ora intituladas Coisas do Arco da Velha e Coisas e Loisas ou Curiosidades de Todos os Tempos e Curiosidades de Todo o Mundo, que mais tarde substituiu pela Secção dos Sábios, abordando com a mesma perícia e erudição os mais variados e bizarros assuntos. Aqui têm um dos primeiros exemplos desse artístico e primoroso labor, extraído do nº 362 (12 de Dezembro de 1942).

Os textos, com um “sabor” também especial, que valorizavam ainda mais a rubrica, eram de Raul Correia, talentoso escritor e poeta que tinha o raro condão, como E.T. Coelho, de transformar em preciosidades todas as suas criações, inclusive os poemas e os textos que assinava com o pseudónimo de Avozinho.

Por obra destes dois pilares d’O Mosquito, a Secção dos Sábios tornou-se uma das mais memoráveis rubricas da “série de ouro”, que assinalou entre 1943 e 1946 a fulgurante evolução da trajectória artística de E.T. Coelho e de outros autores de primeiro plano como Jesús Blasco, Jayme Cortez, Vítor Péon e Emilio Freixas.

Extraídas dos nºs 437 e 438 d’O Mosquito (Setembro de 1943), eis duas magníficas páginas que o Jornal do Cuto publicou nos seus nºs 21 e 26, de 24/11 e 29/12/1971, com a Secção dos Sábios que tanto divertira (e instruíra), três décadas antes, os leitores d’O Mosquito.

O NATAL NA ARTE DE E.T. COELHO

presepio-o-mosquito-19523

Prestes a despedir-se dos seus leitores — que desertavam, cada vez em maior número, para outras e mais aliciantes companhias —, O Mosquito não deixou de evocar, em 1952, a data mais festiva do ano (como já fizera tantas vezes), recorrendo novamente aos préstimos do seu melhor colaborador, Eduardo Teixeira Coelho, que ilustrou a capa do nº 1404 com a clássica e estilizada elegância do seu traço.

Nem mesmo as figuras do burrico e do campino, pitoresco pormenor do cabeçalho (cujo estilo vivo e alegre revela outra faceta da veia artística de E. T. Coelho), parecem destoar nesta poética, singela e tradicional visão do Presépio.

E.T. COELHO NA REVISTA ESPANHOLA “CHICOS” – 1

“EL HECHICERO DE LOS MATABELES”

c-andante-137-822Após o desaparecimento d’O Mosquito, em Fevereiro de 1953, a revista onde Eduardo Teixeira Coelho espraiou o seu talento durante onze anos, tornando-se o principal colaborador artístico do mais popular bissemanário infanto-juvenil português, as suas perspectivas de trabalho ficaram drasticamente reduzidas.

É certo que encontrou logo lugar no Cavaleiro Andante, para o qual realizou algumas capas e uma nova aventura do Falcão Negro, mas esta revista, cujo êxito apressara a queda d’O Mosquito, já contava com uma numerosa equipa de autores nacionais, de que faziam parte Fernando Bento, José Garcês, Stuart, Fernandes Silva, José Félix, José Manuel Soares e Artur Correia. Tanta concorrência não deve ter agradado a E.T. Coelho. Além disso, Adolfo Simões Müller, o director do Cavaleiro Andante, não costumava abrir os cordões à bolsa… dizendo-se que pagava pior do que os seus colegas.

chicos-327-1823Pouco depois de ter averbado os primeiros êxitos n’O Mosquito como ilustrador, E.T. Coelho publicou duas histórias aos quadradinhos no semanário espanhol Chicos, editado em San Sebastian mas com larga difusão em toda a Espanha, e cujo material de primeira qualidade chegava também a Portugal, onde era avidamente disputado pelos dois grandes rivais dessa época na área da imprensa infanto-juvenil: O Mosquito e o Diabrete. Foi a estreia de E.T. Coelho como autor de BD, um ano antes de aparecer n’O Mosquito outra história sua de temática africana, cujo estilo não era muito diferente: “Os Guerreiros do Lago Verde”.

Não deixa de parecer um pormenor assaz curioso que E.T. Coelho, numa espécie de intercâmbio entre o Chicos e O Mosquito, realizasse também ilustrações inéditas para a revista espanhola, destinadas a contos e capas… rivalizando com artistas do calibre de Jesús Blasco e Emilio Freixas (que, aliás, não lhe regatearam elogios). Segundo a directora do Chicos, Consuelo Gil, que fazia muitas visitas a Portugal para vender o material da revista, os trabalhos de E.T. Coelho eram bastante apreciados, também, pelos leitores espanhóis, que desconheciam ainda a nacionalidade do seu autor.

chicos-327-3-825

A estreia de E.T. Coelho no campo das histórias aos quadradinhos ocorreu, pois, em Espanha e esse providencial contacto, fruto da projecção cada vez maior do seu excepcional talento artístico, permitiu-lhe enfrentar as novas contingências, sobretudo económicas, durante algum tempo, quando o doloroso fim d’O Mosquito, incapaz de continuar a resistir à concorrência, quase lhe fechou as portas do futuro em Portugal. 

mosquito-707-826Um futuro que acabaria por ser mais bem auspicioso noutras paragens europeias, começando por Espanha, França e Inglaterra, onde o seu trajecto profissional e artístico descreveu, nos anos cinquenta, uma gloriosa curva ascendente.

Aqui têm, caros leitores e admiradores da obra de E.T. Coelho, algumas das ilustrações que ele fez para o Chicos, até hoje inéditas, salvo raras excepções, em Portugal, e a reprodução da curta história “El Hechicero de los Matabeles”, publicada em 1944, nos nºs 287 a 293 daquele semanário espanhol. Tempos depois, em 1946, O Mosquito, já com um novo e maior formato, publicou-a também, sem qualquer comentário, nos nºs 704 a 713, dando-lhe um título mais novelesco, “O Feitiço do Homem Branco” (com textos de Raul Correia). Não se trata, portanto, de uma história inédita, mas a sua versão original (a preto e branco e com legendas mais reduzidas) merece também ser conhecida entre nós.

Repare-se noutra pitoresca diferença entre as duas histórias: o protagonista — um caçador branco a quem o régulo dos Matabeles pede que mate um corpulento leão que devora o seu gado —, chama-se Diego Artola, na primeira versão; n’O Mosquito, mudou naturalmente de nome e de nacionalidade, passando a chamar-se João Amaral. O exímio caçador cumpriu tão bem a sua tarefa que a família de leões foi completamente dizimada…

matabeles-2-828

matabeles-3-829

matabeles-4-830

matabeles-5-831

matabeles-6-832

matabeles-7-833