O REGRESSO DE TOMMY – 11

Quem seria o estranho operário que dava lições sobre a arte de ser chefe de pista? Intrigados, Tommy e Nancy resolveram deslindar esse novo mistério, quebrando assim a monotonia que voltara a instalar-se na vida do circo, depois deste se ver livre das ameaças do bando de chantagistas chefiados por Hércules.

Leiam mais algumas tiras desta série, criada em 28 de Outubro de 1946 por John Lehti, correspondentes ao período entre 13 de Fevereiro e 2 de Março de 1948, e publicadas n’O Mosquito nºs 971, 973 e 974 (Outubro de 1948).

Advertisements

O REGRESSO DE TOMMY – 10

Depois de ter livrado o circo, com o seu inteligente plano, do bando de malfeitores chefiados por Hércules que provocavam acidentes “azarentos” para extorquir dinheiro a Mr. Bingham, Tommy prepara-se para viver novas aventuras, pois a sua vida é tudo menos monótona, desde que conheceu Sue Graham e abandonou a pequena cidade onde vivia com a irmã para se juntar a um circo itinerante.

A introdução deste episódio, em que o sortilégio do circo, o seu mistério, o seu fascínio, são fielmente evocados, trouxe-nos à memória um livro de Leão Penedo, lido há muitos anos, e o inolvidável filme de Charles Chaplin, ambos com o mesmo título (O Circo) e tendo como tema “as luzes e as sombras” desse mundo estranho e maravilhoso, desse reino da fantasia, onde o imprevisto sempre acontece… mas onde impera a ordem e a organização… e que continua a seduzir e encantar, em toda a parte, gerações de artistas e de espectadores de todas as idades. Porque o circo é tão intemporal e universal como a sua própria magia!

Criada em 28/10/1946 por John Lehti, a série Tommy of the Big Top durou até 11/11/1950, e foi publicada em Portugal n’O Mosquito e no Mundo de Aventuras. As tiras seguintes, com data de 26/1/1948 a 12/2/1948, surgiram nos nºs 969 e 970 d’O Mosquito.

O REGRESSO DE TOMMY – 9

Seguro da sua impunidade, Hércules, o chefe do bando de chantagistas, continua a extorquir dinheiro a Mr. Bingham, sob a ameaça de lhe causar grandes prejuízos, pois os seus homens estão infiltrados entre os trabalhadores do circo. Mal sabe ele que Tommy e os seus amigos não dormem… e que o audacioso rapaz já tem um plano para libertar “Molho de Carne” e, ao mesmo tempo, pôr todo o bando fora de acção, com o auxílio da polícia.

Leiam o último episódio deste caso que agitou a supersticiosa gente do circo, convencida de que os acidentes provocados pelo bando, para causar alarme entre a pequena comunidade, eram efeito de bruxedo… um flagelo cujas consequências imprevisíveis podiam pôr em perigo a própria existência do circo. Até Mr. Bingham chegou a acreditar nisso! Mas Tommy não era tão ingénuo nem tão supersticioso como os seus colegas (incluindo “Molho de Carne” e Sue), e não tardou a descobrir o fio da meada.

As tiras seguintes, com data de 5 a 24 de Janeiro de 1948, foram publicadas n’O Mosquito nºs 962/965 e 967 (no nº 966, Tommy fez “gazeta”). E vem aí nova aventura…

O REGRESSO DE TOMMY – 8

Como vimos no episódio anterior, Tommy e os seus amigos Sue e “Molho de Carne” conseguiram descobrir o antro dos bandidos que têm o circo sob ameaça, extorquindo dinheiro todas as semanas a Mr. Bingham. Mas o pequeno grupo de “detectives” — a que se juntou Bal, o equilibrista — foi avistado pela quadrilha quando batia em retirada e, na corajosa tentativa de proteger a fuga dos companheiros, “Molho de Carne” acabou por cair nas mãos de Hércules. Este tem agora mais um trunfo para continuar o seu plano de extorsão, sem receio da polícia…

Leiam mais um episódio desta célebre série ilustrada por John Lehti, cujas tiras diárias, correspondentes às datas de 19/12/1947 a 3/1/1948, foram publicadas n’O Mosquito nºs 958 a 961, de 28 de Agosto a 8 de Setembro de 1948.

Nesta fase do popular bissemanário, alternando séries inglesas, americanas e espanholas com um novo trabalho de E.T. Coelho (Lobo Cinzento), a harmonia estética era prejudicada pela caligrafia irregular das legendas inseridas nos balões, defeito que se notava sempre que Tiotónio decidia encarregar um dos seus ajudantes dessa tarefa. Só quando O Mosquito mudou de oficinas (por razões que não vêm agora ao caso), as legendas de Tommy, o Rapaz do Circo e de outras histórias deixaram de ser feitas manualmente.

O REGRESSO DE TOMMY – 7

Resumo: depois de uma estranha série de acidentes que puseram em alvoroço a gente do circo, provocados pelo bando de um gangster com o pomposo nome de Hércules, este exige a Mr. Bingham o pagamento, todas as semanas, de uma quantia equivalente a 20% das receitas diárias… para evitar mais acidentes! Tommy e Sue, que ouviram a conversa, pedem ajuda a “Molho de Carne” e os três seguem os bandidos até ao seu “quartel-general”, num dos bairros mais sórdidos da cidade onde o circo está instalado.

Leiam um novo episódio desta famosa série ilustrada por John Lehti, com 15 tiras datadas de 2/12 a 18/12/1947, tal como saíram n’O Mosquito nºs 954 a 957, de 14/8 a 25/8/1948.

Há a apontar a repetição de uma tira no nº 956 (embora, curiosamente, com legendas diferentes) e o pormenor, que não deixa de ser também curioso, de todas terem sido publicadas a cores n’O Mosquito — o que na imprensa diária, seu local de origem, visto se destinarem ao sector mais numeroso da população, aquele que trabalhava e lia jornais, obviamente não acontecia (exceptuando as séries publicadas ao domingo).

O REGRESSO DE TOMMY – 6

Depois de descobrirem que os acidentes ocorridos no circo nada tiveram a ver com bruxedo, mas foram obra de um bando chefiado por um tal Hércules, Tommy e Sue apressam-se a pôr Mr. Bingham ao corrente das suas suspeitas. Mas o caso é mais grave ainda do que parece… porque Hércules não tarda a dar notícias.

Leiam mais um episódio desta excelente série criada por John Lehti, cujas tiras diárias, correspondentes às datas de 18/11 a 1/12 de 1947, foram publicadas n’O Mosquito nºs. 951 e 953 (Agosto de 1948). No nº 952, Tommy fez “gazeta”.

O REGRESSO DE TOMMY – 5

Uma série de insólitos acidentes, de gravidade cada vez maior, põe em alvoroço a supersticiosa gente do circo, que à falta de outra explicação os atribui a bruxedos. E quando Tommy faz uma descoberta que pode lançar nova luz sobre a causa desses acidentes, é traiçoeiramente agredido por um tipo mal encarado.

Leiam mais 12 tiras desta inesquecível série ilustrada por John Lehti, com data de 4/11 a 17/11/1947, tal como foram publicadas n’O Mosquito nºs 949 e 950, de 28 e 31/7/1948. Há a apontar, mais uma vez, a defeituosa caligrafia de algumas legendas (ver páginas a cores), cheias de erros que procurámos emendar o melhor possível.

E as aventuras de Tommy, o rapaz do circo, continuam…