JOSÉ PIRES: UM AUTOR E FANEDITOR APAIXONADO PELA BD DE OUTROS TEMPOS

capa-no3

terry-e-os-piratas-pag

Por cortesia de José Pires, nosso amigo de longa data, companheiro de muitas tertúlias desde os tempos heróicos em que lançámos o Fandaventuras e o Fandwestern (dois fanzines que ainda estão em publicação, graças ao incansável labor deste apaixonado pela BD clássica, que os edita mensalmente, com infalível pontualidade), apresentamos as edições distribuídas em Fevereiro, com novos episódios de duas séries carismáticas (Matt Marriott Terry e os Piratas) e a reedição da primeira história desenhada pelo saudoso artista português Vítor Péon para O Mosquito, na sua estreia, em 1943, como autor de banda desenhada.

Neste número, cuja capa e duas páginas podem ver já a seguir, figura também uma história curta de Péon, com o título “Traidor em Fuga”, realizada em 1946 para O Pluto, revista em que Péon foi o principal colaborador artístico, ilustrando-a de uma ponta à outra, num alarde de talento, versatilidade e energia criativa.

capa-falsa-acusacao

pag-falsa-acusacao-1

pag-falsa-acusacao-2

Recorde-se que Terry e os Piratas foi apresentada também n’O Mosquito (1952-53), quando era desenhada por George Wunder, sucessor de Milton Caniff. Quanto a Matt Marriott é uma série inglesa, também em tiras diárias, desenhada por Tony Weare e escrita por James Edgar, que aborda com extraordinário realismo a colonização do Oeste americano em finais do século XIX, distanciando-se dos westerns da série B, nomeadamente os de feição mais juvenil.

Muitos dos seus episódios foram publicados no Mundo de Aventuras (1ª série), como o que deu o título a este número do Fandwestern.

nimbus-mcbride

nimbus-1

nimbus-2

Em Janeiro, o Fandwestern reeditou duas outras histórias de Vítor Péon: “O  Juramento de Dick Storm“, publicada também n’O Mosquito, pouco tempo depois de Falsa Acusação”, e Três Balas”, cuja acção trepidante, baseada numa novela de Orlando Marques, se desenrola igualmente no cenário mítico do Oeste americano. Oriunda d’O Pluto, revista editada por Roussado Pinto, em 1945-46, e que durou apenas 25 números, Três Balas” ficou incompleta, mas surgiu em nova versão (remontada parcialmente e com vinhetas coloridas) numa das primeiras colecções de cromos do género, editada pela fábrica de rebuçados “A Oriental”.

Estes fanzines encontram-se à venda na Loja de José Manuel Vilela, Calçada do Duque, 19-A, 1200-155, Lisboa, mas podem também ser encomendados ao editor, por quem não mora na capital, bastando escrever para o e-mail gussy.pires@sapo.pt.

fandwestern-dick-storm

peon-dick-storm-pag-3

peon-dick-storm-pag-30

fandwestern-tres-balas

3-balas-15

25

GRANDES SÉRIES PARA (RE)LER E RECORDAR

ROB THE ROVER (de Walter Booth)

editado em inglês por José Pires.

O Fandaventuras começa a voar mais alto!

Centret Poster

Há poucos meses tínhamos prometido, no Gato Alfarrabista, dar-vos mais novidades sobre os próximos lançamentos desta fantástica série que José Pires está a reeditar, com impressionante regularidade e grande sucesso, no Fandaventuras Especial. Ora acontece que, no final do mês de Setembro, apareceu o primeiro tomo de um novo ciclo intitulado “The Origins” (“As Origens”), numa versão em inglês destinada aos países nórdicos, onde a criação de Walter Booth se tornou imensamente popular — tal como sucedeu entre nós, nas décadas de 30 e 40 do século passado, graças sobretudo ao Tic-Tac e ao Mosquito, que a baptizaram com o apelativo título de “Pelo Mundo Fora”.

1941-28Tendo entrado em contacto, por via de um blogue português, com dois bedéfilos escandinavos, grandes admiradores de Rob the Rover (que nos seus países se chamou Willy paa Eventyr), José Pires, perante o entusiasmo desses corres- pondentes — que logo espalharam a nova da edição portuguesa pela blogosfera, conquistando um largo número de aderentes na Suécia e na Dinamarca —, resolveu, como íamos dizendo, aproveitar esta oportunidade para concretizar um projecto ainda mais ambicioso: o de fazer também uma edição em inglês, de modo a tornar a leitura do seu fanzine mais acessível aos assinantes de outros países, desconhecedores do nosso idioma.

Com a sua habitual e inesgotável capacidade de trabalho (rapidez e perfeição é o seu lema), o nosso velho amigo não perdeu tempo a passar das intenções aos actos, começando, como oportunamente anunciámos, pela magnífica saga do Flying Fish (um extraordinário avião anfíbio cujo nome Raul Correia, n’O Mosquito, traduziu para Submarplano), constituída no total por seis volumes.    

Este longo ciclo surgiu num dos períodos de maior maturidade e criatividade da série, quando Walter Booth já estava no apogeu da sua forma artística e até das suas capacidades narrativas (partindo do princípio de que deve ter sido ele o único argumentista da série).

The-Origins-I-

Muito diferente foi o início de Rob the Rover… Nessa fase, como nos descreve José Pires, “as histórias eram muito moralistas, cândidas, previsíveis e incipientes, com episódios que começavam e acabavam na mesma página semanal”. O próprio estilo gráfico de Walter Booth estava ainda longe da perfeição e da estética realista inerente ao espírito de aventura com que a série tinha sido criada.

Mas a evolução orgânica da sua estrutura simples e linear — como a de muitas outras séries inglesas, num contexto ainda marcadamente infantil —, e o grande salto qualitativo que a técnica de Booth deu no espaço de poucos meses, não tardaram a abrir-lhe novos horizontes, confirmando o seu êxito em muitos países onde não se falava a língua inglesa, sobretudo os do hemisfério norte, como a Noruega, a Suécia e a Dinamarca.

Pag-03Pag-33Pag-34Pag-35

São esses primeiros episódios — em páginas semanais a princípio autónomas — que José Pires decidiu também reeditar, numa tiragem especial como a do Submarplano, com todos os textos em inglês (mais fiel, portanto, à versão original), destinada a um público heterogéneo, que a acolherá decerto com o mesmo entusiástico interesse dispensado aos volumes anteriores, que neste momento estão já completamente esgotados.

O 2º volume deste ciclo acaba também de ser impresso, com as peripécias de Rob e dos seus companheiros de aventura estendendo-se por episódios mais longos, ambientados em todas as regiões exóticas e inexploradas do globo terrestre. Por amabilidade de José Pires, a quem agradecemos as informações e os documentos que nos tem fornecido, aqui ficam algumas páginas de mais uma edição verdadeiramente “Special” do seu cada vez mais apreciado Fandaventuras — que já transpôs num largo voo, como o do Submarplano, a fronteira do país onde chegou pela primeira vez às mãos do público.

Os interessados poderão obter estes volumes contactando José Pires pelo e-mail gussy.pires@sapo.pt

Capa-II--The-Origins-Pag-22Pag-58

Sunbeam747[2]Estreada em 15 de Maio de 1920 nas páginas do Puck, esta longa e fascinante série de aventuras foi a primeira em estilo eminentemente realista dada à estampa em todo o mundo, mas o seu lugar pioneiro na história da BD está longe de ser reconhecido por todos os especialistas, quer por ignorância quer por subserviência aos modelos e aos autores norte-americanos.

A falta de papel que, durante a guerra, afectou drasticamente a actividade da imprensa britânica, foi a principal res- ponsável pelo cancelamento (em Maio de 1940) do Puck e do seu congénere Sunbeam, onde as aventuras de Rob the Rover viram abruptamente interrompido um novo capítulo, deixando inconso- láveis milhares de admiradores do juvenil herói, que assim terminou, sem glória, uma longa e movimentada carreira. Excepto nos países escandinavos, onde com o nome de Willy, como já referimos, prosseguiu triunfalmente, pela mão de outros desenhadores — que lhe deram um cunho gráfico diferente do de Walter Booth —, as suas peripécias de globetrotter, num mundo em que muitas transformações vinham já a caminho.

Willy álbum092

Esse surto de popularidade — transformado num fenómeno de culto que ainda hoje perdura, tendo mesmo dado origem à criação de um clube de fãs com mais de 600 membros, cognominado Willy-Centret — foi a mola impulsionadora para várias reedições das aventuras de Rob the Rover publicadas no norte da Europa, sobretudo as de origem apócrifa, ilustradas por artistas como o dinamarquês Tage Andersen — cujo trabalho, recentemente descoberto num álbum oferecido pelo WillyCentret a José Pires, nos surpreendeu pela positiva.

Willy álbum p 36093

Acabamos também de saber que o nosso incansável faneditor foi justamente distinguido pelo clube nórdico com um prestigioso galardão, o Willy-Prize 2014, pela primeira vez atribuído a uma personalidade estrangeira, em reconhecimento do notável trabalho levado a cabo por José Pires na recuperação integral da mais famosa série de aventuras criada nos primórdios da BD europeia.

Associamo-nos ao regozijo que esta notícia irá certamente causar entre todos os fãs e admiradores portugueses de Rob the Rover e do seu mais dinâmico divulgador a nível mundial: o nosso querido amigo José Pires!

A título de curiosidade, aqui vos deixamos também o link para uma página do site do clube dinamarquês: http://www.willy-centret.dk/

Willy-Prize-2014

 

GRANDES SÉRIES PARA (RE)LER E RECORDAR

MAIS EPISÓDIOS DE UMA FAMOSA SÉRIE

INGLESA NO “FANDAVENTURAS” ESPECIAL

CAPA--VOLUME-4

Imparável na sua actividade de faneditor — apesar de alguns problemas de saúde, de que já está felizmente recuperado —, José Pires acaba de nos brindar com mais dois volumes da saga “O Gavião dos Mares”, uma série clássica inglesa dos anos 30 magistralmente ilustrada por Walter Booth, pioneiro da BD de aventuras em estilo realista, que em 1920, muito antes de qualquer outro artista do seu género, criou a primeira longa série de aventuras com um herói titular: Rob the Rover.

003010054

Estes novos volumes da epopeia marítima “O Gavião dos Mares” (outra das suas obras- -primas) reproduzem, curiosamente, um episódio passado em terra, com o título original For the King (“Pelo Rei!”), cuja acção se desenrola na época da guerra civil inglesa entre os “Realistas”, partidários do ocupante do trono, Carlos I, e os “Puritanos”, seguidores de Oliver Cromwell, também conhecidos pelo nome de “Cabeças Redondas”.

CAPA-5

Publicada em 1935-36 no célebre semanário inglês Puck, onde se estrearam também outras famosas séries de Walter Booth, como Rob the Rover e Captain Moonlight, esta segunda e extensa parte de “O Gavião dos Mares” (Orphans of the Sea) tem outra particularidade curiosa, no que se refere à sua publicação em Portugal, pois quase duas dezenas de páginas não apareceram n’O Mosquito, entre 1941 e 1942, devido às contingências da guerra que assolava, então, grande parte do continente europeu.

013045056

Essas páginas inéditas que os leitores d’O Mosquito foram privados de ler — embora sem se aperceberem, graças à habilidade narrativa com que Raul Correia traduzia e adaptava as legendas, compondo à sua maneira a acção das sequências incompletas —, estão presentes nos dois volumes do Fandaventuras Especial postos agora à venda, e que poderão ser directamente encomendados ao seu editor pelo e-mail gussy.pires@sapo.pt.

CAPA--6

Cada fascículo desta magnífica obra, impressa em bom papel, com cerca de 70 páginas — que foram objecto de um meticuloso trabalho de restauro, a partir de exemplares do Puck e de cópias obtidas na British Library —, custa apenas 10 €. Muito em breve, segundo nos informa José Pires, será também distribuído o 6º volume, com a última parte de “O Gavião dos Mares”, intitulada “O Cruzeiro do Sea Hawk” (The Cruiser of the Sea Hawk).

Uma série de grande qualidade a não perder, com o primoroso traço de Walter Booth, numa espectacular edição que José Pires levou a cabo em tempo recorde, concretizando, assim, um dos seus maiores sonhos como leitor da “época de ouro” d’O Mosquito.

VI003VI009VI067

BOLETIM – O FANZINE DO CPBD

admin-ajax.php

RELENDO UM NÚMERO DO BOLETIM,

O FANZINE PORTUGUÊS

HÁ MAIS TEMPO EM PUBLICAÇÃO

Embora tenha passado por Boletim do clube801 muitas e atribuladas fases, o CPBD (Clube Português de Banda Desenhada) ainda mantém o seu espírito associativo, continuando a promover reuniões entre um grupo de sócios mais assíduos e a publicar um fanzine com o título Boletim do CPBD, que em cada número aborda geralmente temas diferentes. Por vezes, o desenvolvimento desses temas obriga a estender a sua publicação por dois ou três números, como é o caso da edição #135, datada de Janeiro de 2013, com um sumário aliciante e ilustrado a preceito.

A coordenação e o arranjo gráfico, como habitualmente, são de Paulo Duarte e a responsabilidade e escolha dos textos coube a Américo Coelho, que tem sido, nos últimos números, um dos mais regulares colaboradores do Boletim, com longos e exaustivos trabalhos de investigação que suscitam sempre o interesse dos leitores pelo meticuloso esforço de pesquisa, informação e análise.

Neste número, Américo Coelho debruça-se sobre um dos temas que mais o apaixonam, ou seja, o vasto e rico historial da revista O Mosquito, nas suas diversas fases e séries, enquadrado num panorama comemorativo dos 77 anos do seu nascimento.

Chegado às bancas em 14 de Janeiro de 1936, O Mosquito foi lido e apreciado por milhares de leitores de palmo e meio — que encontraram nas suas páginas um espírito lúdico e formativo, uma fonte de divertimento e emoção —, tornando-se um caso ímpar de popularidade e prestígio nos anais da imprensa infanto-juvenil portuguesa, a tal ponto que a sua memória ainda hoje permanece viva, conseguindo criar entre antigos leitores e novos simpatizantes laços de amizade e camaradagem que aproximam gerações e esbatem, como no passado, diferenças sociais e culturais.

Mosquito do Ruy n 1Foram esse espírito e essa memória, frutos da acção exemplar e do saber profissional de dois homens verdadeiramente apaixonados pelo seu ofício, António Cardoso Lopes Jr. e Raul Correia, que contagiaram José Ruy (aliás, ele próprio ligado desde muito novo a O Mosquito e ao jornalismo infanto-juvenil), impelindo-o a lançar em 16/11/1960, de parceria com o jornalista Ezequiel Carradinha, uma nova série em que — a par da nostálgica evocação do seu ilustre antepassado, expressa numa fidelidade quase total aos modelos que este propagara engenhosamente  entre a juventude — vibrava o desejo de recuperar algumas réstias da aura mítica associada ao seu triunfal percurso durante o período de maior expansão. 

E assim, reeditando ou revivendo heróis que não tinham caído no esquecimento, como Rob the Rover, Capitão Meia-Noite, Zé Pacóvio e Grilinho, Rudy Carter, James Donald e outros, a 2ª série d’O Mosquito começou a fazer o seu caminho. Mas os tempos tinham mudado, afectando o desenvolvimento social e econó- mico, encarecendo o custo de muitos bens de consumo, provocando desemprego.

A própria guerra do Ultramar, que se desencadeou nessa altura, contribuiu (com o alistamento de muitos jovens) para o fracasso comercial do projecto, mesmo depois da entrada de Roussado Pinto, profissional experiente e amigo de longa data de José Ruy, para o lugar de coordenador, quando Carradinha abandonou a revista.

Mosquito  n 11É essa 2ª série, composta por 30 números — cuja raridade, hoje em dia, os torna ainda mais valiosos para os coleccionadores —, que Américo Coelho analisa metodicamente no seu trabalho, recordando o papel dos dois directores e fundadores d’O Mosquito, mas também de José Ruy, na evolução do jorna- lismo infanto-juvenil, ao qual todos dedicaram muitos anos da sua vida.

O Voo d’O Mosquito recomenda vivamente aos seus amigos a leitura deste número do Boletim, com a primeira parte do exaustivo dossier de Américo Coelho dedicado a um dos principais herdeiros d’O Mosquito, a emble- mática revista cujo nome resistiu à passagem do tempo, enraizando-se solidamente no ima- ginário colectivo de várias gerações.

A fechar a edição, com 76 páginas, pode ler-se ainda um episódio integral da série inglesa “Capitão Fantasma, o Homem dos Mil Disfarces” (Captain Phantom, the World War II Master Spy), desenhado por Mike Western, e que ficou incompleto n’O Mosquito (2ª série).

capitão fantasma1 e 2