IMAGENS DO PASSADO – EXCURSÃO A BARCELONA (1)

Foto do “Grupo de Lisboa”, com alguns dos visitantes portugueses que se deslocaram ao 4º Salón del Comic de Barcelona (Maio 1984). A comitiva foi recebida pelo autor de tebeos Juan Espallardo (ainda hoje muito activo, na terra onde vive, como professor de Desenho Artístico), que também figura na imagem, segurando um exemplar do novo Almanaque O Mosquito (Editorial Futura).

Da esquerda para a direita: 1º plano, Eugénio Silva (de cócoras); 2º plano, Chaves Ferreira (director da Editorial Futura), Juan Espallardo, Catherine Labey, José Ruy, Jorge Magalhães e António Alfaiate.

Na mala do Dr. Chaves Ferreira ia também o 1º número da 5ª série d’O Mosquito, lançada em Abril desse mesmo ano, que seria oferecido a Jesús Blasco e a outros artistas espanhóis que já eram colaboradores da Editorial Futura ou que viriam, em breve, a sê-lo. O nosso grupo — de que também faziam parte o Luís Diferr e o Geraldes Lino — viajou de autocarro até Barcelona (com excepção do Lino, que preferiu a via aérea), onde permaneceu três dias, regressando no domingo, dia 20 de Maio, pelo mesmo transporte.

Nesse domingo, de manhã, fizemos uma visita obrigatória às ramblas e ao mercado onde se realiza a maior feira de alfarrabistas de Barcelona, dedicada somente a livros, revistas, discos, cartazes e algum outro material de colecção, com grande incidência nas publicações de tebeos, isto é, de banda desenhada. Na foto que se segue, é manifesto o interesse e a curiosidade com que eu e o Geraldes Lino vivemos esses momentos, deixando-nos atrair por alguns dos artigos expostos nas bancas… mas sem perder a cabeça, abrindo os cordões à bolsa! (Por que estariam aqueles dois “maraus” com um ar de tanto gozo? Confesso que não me lembro…)

Falta ainda recordar um pitoresco episódio que quase ia comprome- tendo o desfecho da viagem, pelo menos para um de nós. Na festa de encerramento do Salón, que acabou animadamente numa espécie de restaurante/discoteca — com a presença de ilustres autores do país vizinho (naturais e residentes), como Jesús Blasco, Puigmiquel, Garcia Iranzo, Juan Gimenez, José Ortiz, Manfred Sommer e Alberto Breccia —, o Eugénio Silva quis mostrar a sua “costela” espanhola, armando-se em dançarino, mas teve azar, deu um passo em falso e partiu um pé. Felizmente, depois de assistido no hospital, pôde regressar a casa com os companheiros de viagem e não perdeu o bom humor, continuando a ser o “rei da paródia”, apesar do pé engessado, das muletas e do frio que rapámos todos ao atravessar, de noite, a Serra de Guadarrama.

É que no autocarro não havia mantas para os passageiros se agasalharem e o aquecimento não funcionava! Resultado: ninguém conseguiu pregar olho e a noite foi passada na chalaça uns com os outros, com grande arrelia de um casalinho sentado ao pé de nós… que se esforçava em vão por dormir no meio dessa algazarra! Mas, assim, a viagem de regresso até nos pareceu mais curta.

Jorge Magalhães

Jorge Magalhães, Catherine Labey e Dr. Chaves Ferreira, a equipa da Editorial Futura responsável pela 5ª série d’O Mosquito, defronte do recinto onde teve lugar o 4º Salón del Comic de Barcelona, horas antes do seu regresso a Portugal

Advertisements

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA (COM JORGE MAGALHÃES E CATHERINE LABEY) – 4

JORGE MAGALHÃES (2)

No campo editorial, coordenou ainda livros como “O Mosquito – 60º Aniversário” (1996) e “Vasco Granja – Uma Vida, 1000 Imagens” (2003) e colaborou em jornais como Tintin, Jornal da BD e Jornal do Exército, além de ter sido chefe de redacção das Selecções BD (2ª série), entre 1998 e 2001. Escreveu também um livro com o título “O Príncipe Olaf”, publicado em 1975 na colecção juvenil Galo de Ouro (Portugal Press), a par de conceituados novelistas como Raul Correia, José Padinha e Orlando Marques.

Juntamente com Augusto Trigo (o desenhador com quem mais trabalhou nos anos 80: “Luz do Oriente”, “Kumalo [Ranger]”, “Excalibur”, “Wakantanka”), foi autor do álbum “A Moura Cassima” (Lendas de Portugal em BD, Edições Asa), distinguido em 1992 com o prémio de melhor álbum português, criado nesse mesmo ano pelo Festival Internacional da Amadora. Voltou a colaborar com Augusto Trigo e Catherine Labey no álbum colectivo “Lenda da Moura Salúquia”, publicado no Salão Moura BD em 2009.

Foi galardoado cinco vezes com o Troféu O Mosquito do Clube Português de Banda Desenhada para melhor argumentista, entre 1981 e 1993. Em 1999, recebeu o Troféu de Honra do Festival da  Amadora (que no ano seguinte coube a Augusto Trigo) e em 2002 o Troféu Balanito Especial, atribuído pelo Salão Moura BD. A Câmara Municipal de Moura publicou estudos seus sobre vários temas:

“Carros e Motos na BD” (2001); BD e Ficção Científica – As Madrugadas do Futuro” (2005);O Western na BD portuguesa” (2007); Vítor Péon e o Western” (2010); Franco Caprioli – No Centenário do Desenhador Poeta” (2012)**

** Esta obra teve também edição em formato digital (e-book), pelo GICAV – Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu.

Actualmente, com assistência de Catherine Labey, coordena cinco blogues, que abordam desde a banda desenhada, o “western” e a aventura histórica à literatura popular e ao cinema.  O primeiro, O Gato Alfarrabista, nasceu em 2013.

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA (COM JORGE MAGALHÃES E CATHERINE LABEY) – 3

JORGE MAGALHÃES (1)

Jorge Magalhães nasceu no Porto em 22 de Março de 1938. Entre 1959 e 1961, iniciou transitoriamente a sua carreira na Banda Desenhada, escrevendo contos para o Mundo de Aventuras e para O Mosquito (2ª série), editado por José Ruy e Ezequiel Carradinha. Anos depois (1970), publicou também um conto no último número de Pisca-Pisca, revista da MP dirigida por Álvaro Parreira.

Em Maio de 1974, dez meses após regressar de Angola, onde era funcionário público — tendo continuado, em simultâneo, a dedicar-se à escrita, como colaborador, entre 1967 e 1972, de vários jornais e revistas: A Província de Angola, TrópicoABC e O Comércio —, concretizou um sonho de juventude ao ingressar na Agência Portuguesa de Revistas, onde assumiu a coordenação do Mundo de Aventuras (2ª série), MA Especial e Selecções do MA, entre outros títulos de menor importância, permanecendo naquela empresa durante 13 anos, até ao seu encerramento em finais de 1987.

Em 1976, estreou-se como argumentista no Mundo de Aventuras com uma história desenhada por Baptista Mendes, “A Lenda de Gaia”, tendo depois assinado numerosos argumentos para revistas e álbuns (individuais e colectivos), ilustrados por alguns dos principais desenhadores portugueses, como Augusto Trigo, Carlos Alberto, Carlos Roque, Catherine Labey, Eugénio Silva, Fernando Bento, João Amaral, José Abrantes, José Carlos Fernandes, José Garcês, José Pires, José Ruy, Pedro Massano, Rui Lacas, Vítor Péon e outros. Também colaborou com jovens desenhadores que trocaram a BD por outras carreiras, como Irene Trigo, João Mendonça, José Projecto, Ricardo Cabrita e Zenetto. 

Foi fundador e membro directivo do Clube Português de Banda Desenhada, criado em 1976, e coordenou outras revistas de BD como TV Júnior, Intrépido, AventureiroHeróis da Marvel, O Mosquito (5ª série), Almanaque O Mosquito, Heróis Inesquecíveis, etc. Também editou e dirigiu fanzines como os Cadernos de Banda Desenhada (com três séries) e a Colecção Audácia. Traduziu muitas histórias de BD, escreveu artigos de investigação e análise crítica para vários livros, revistas, catálogos, fanzines e suplementos de jornais, e durante os anos 1980 dirigiu colecções da Editorial Futura, como Antologia da BD Portuguesa, Antologia da BD Clássica, Colecção Aventuras, Tarzan, Torpedo, Nova BD, Gente Pequena, etc.

(continua)

SERAFIM & MALACUECO – A MAIS FAMOSA SÉRIE CÓMICA PUBLICADA N’O MOSQUITO

Texto de Luiz Beira, publicado originalmente no blogue BDBD, de onde o reproduzimos com a amável autorização deste nosso colega e amigo. 

A primeira prancha de “Weary Willie and Tired Tim”, publicada na revista “Ilustrated Chips” #298 (16.05.1896)

Esta dupla popular e irresistível viu a luz do dia a 16 de Maio de 1896, na publicação inglesa “Illustrated Chips”. Seu autor: Tom Browne (1870-1910). Na sua versão original, chamavam-se Weary Willie (o esticadinho Serafim) e Tired Tim (o gorducho Malacueco). As suas astutas e/ou aparatosas aventuras foram sempre publicadas com honra de primeira página, pormenor que aconteceu também quando publicadas em Portugal, pela primeira vez, na revista “O Mosquito” #209, de 11 de Janeiro de 1940.

No nosso país, “Serafim e Malaqueco” foram também publicados na “Colecção de Aventuras” (1940/42) [de onde respigaremos brevemente alguns episódios]; em vários números de “O Mosquito”, regressando, após longa ausência, na sua última etapa (1952/53); na revista “Valente” (meados dos anos 50); e nos anos setenta [sob a curiosa epígrafe “TV Serafim & Malacueco Show”] no “Jornal do Cuto” (que recuperou histórias anteriormente publicadas n’ “O Mosquito”).

A série, que divertia uma multidão de bedéfilos em vários países, terminou a 12 de Setembro de 1953. Tom Browne desenhou-a de 1896 a 1900, sendo prosseguida por Arthur Jenner e depois por Percy Cocking. Por volta de 1903, a série conheceu algumas adaptações ao Cinema, em curtas metragens, com realização de William Haggar, que usou dois dos seus filhos como protagonistas: James Haggar (Tired Tim) e Walter Haggar (Weary Willie).

Esta dupla é a de dois vagabundos que tudo fazem para viver bem, graças à sua esperteza… nem sempre triunfante. De certo modo, foram inspirados em Don QuixoteSancho Panza. Mesmo assim, estes dois “heróis” inspiraram muitas parcerias semelhantes, tanto na BD como no Cinema, como foi o caso de Oliver Hardy (Bucha) e Stan Laurel (Estica). Ainda hoje, com carinho e nostalgia, se relêem com muito agrado as suas tão divertidas tropelias.

“Weary Willie and Tired Tim”, in “Ilustrated Chips” #2813 (05.07.1947)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1125 (Abril 1950)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1149 (Junho 1950)

“Serafim e Malacueco”, in “O Mosquito” #1150 (Julho 1950)

A popularidade destes personagens no nosso país acabou por torná-los alvo de alguns pastiches por parte de consagrados autores portugueses, que, dessa forma, homenagearam as suas divertidas aventuras. Tais foram os casos de José Abrantes e Jorge Magalhães, que publicaram no “Almanaque O Mosquito”, em 1987, uma aventura em quatro pranchas (que foi, vinte anos mais tarde, reeditada no #7 dos “Cadernos Moura BD”)…
“O Regresso de Serafim e Malacueco”, por Jorge Magalhães (texto)
e José Abrantes (desenhos), in “Almanaque O Mosquito” (1987)
.
… e de Eugénio Silva que realizou em 2015, para o fanzine de Geraldes Lino “Efeméride” #6 (parte 3 de 4), uma divertida prancha humorística (algo pouco usual neste autor).
(Nota: foram acrescentadas duas imagens a este post. Em breve publicaremos um artigo de Roussado Pinto dedicado, também, à impagável criação de Tom Browne)
 

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA (COM JORGE MAGALHÃES E CATHERINE LABEY) – 2

CATHERINE LABEY

Nascida a 8 de Setembro de 1945, em Évreux (França), de pais franceses, naturalizou-se portuguesa em 1975. Após os estudos secundários, frequentou as Belas-Artes de Paris. Sempre em Paris, trabalhou em publicidade como grafista e depois emigrou, primeiro para Coimbra (1970), depois para Lisboa, onde foi capista na Editora Estúdios Cor.

Em 1974, foi a Moçambique, onde voltou a trabalhar em publicidade, mas só lá ficou de Janeiro a finais de Agosto daquele ano. De regresso a Portugal, já naturalizada portuguesa, trabalhou como ilustradora e grafista para várias editoras (Plátano, Publica, a revista Fungagá da Bicharada, onde teve o seu primeiro contacto directo com a BD, e mais tarde Editorial Futura e Meribérica).

Fez banda desenhada publicada no Fungagá, no Mundo de Aventuras da APR, em álbuns juvenis na ASA do Porto, com argumentos de Jorge Magalhães («Contos Tradicionais Portugueses» e «Contos Para a Infância»: de Guerra Junqueiro, Andersen, Grimm e «As 1001 Noites», entre 1989 e 1992.

Fez muitas traduções de banda desenhada para a APR, Meribérica-Liber, ASA, e de texto para vários editores, tanto do francês como do espanhol e do inglês, assim como letragem de BDs. Para a Editorial Futura, entre outros trabalhos, teve a seu cargo a legendação das histórias e toda a paginação da revista O MOSQUITO (5ª série), do princípio ao fim.

Foi galardoada em 1995 com o troféu de Autor do Ano, no Salão de BD da Sobreda da Caparica, e com o Balanito Especial do Salão de Moura, em 2007.

Voltou a publicar na ASA, do grupo Leya, em 2012 («Provérbios… com Gatos»). Tem dois livros na gaveta, escritos e ilustrados por si («Os Bichinhos da Minha Vida», «Memórias de uma Gata»), e uma nova colecção infantil de 6 livros, com tema versando as plantas medicinais e seu uso, através das peripécias do gato Serafim e da feiticeira Margolina.

É contra o novo Acordo Ortográfico.

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA (COM JORGE MAGALHÃES E CATHERINE LABEY) – 1

No passado dia 8 de Julho, como oportunamente informámos, teve lugar na Bedeteca José de Matos-Cruz (ala da Biblioteca Municipal de Cascais, em S. Domingos de Rana), a 3ª Conversa sobre BD moderada pelo próprio José de Matos-Cruz, especialista e crítico de cinema, com vasta obra publicada, historiador, coleccionador e divulgador pioneiro da Banda Desenhada em Portugal (Copra, Ploc!, Mundo de Aventuras, Boomovimento, etc).

Desta feita, os convidados foram o casal formado pelo escritor/argumentista Jorge Magalhães e pela desenhadora e artista plástica Catherine Labey, ambos profissionais de BD desde a década de 1970, nas mais diversas áreas, e que continuam a alimentar o seu gosto pela 9ª Arte, dedicando-se, na idade da reforma, à actividade de bloggers.

Perante um público assíduo — entre o qual tivemos a grata surpresa de ver, além de Mestre José Garcês e esposa, e do desenhador João Amaral e esposa, uma bela “embaixada” da família de Jorge Magalhães, com a filha Maria José Pereira (editora da Babel) e o genro, dois netos e duas bisnetas —, falaram ambos das suas carreiras (muitas vezes em comum), apoiados por uma apresentação em Powerpoint de obras que consideram as mais representativas dessa colaboração mútua ou com outros autores.

Na sua intervenção, Jorge Magalhães, autor multifacetado, dissertou também sobre o seu longo percurso nas revistas e editoras onde trabalhou, desde o Mundo de Aventuras (APR) às Selecções BD (Meribérica), passando por muitas outras, como Intrépido e TV Júnior (Campo Verde), Heróis da Marvel (Distri) e O Mosquito (Editorial Futura). Nesta editora, coordenou também a Antologia da BD Portuguesa e a Antologia da BD Clássica, duas colecções onde foram publicadas algumas obras-primas oriundas da 1ª série d’O Mosquito, como “O Caminho do Oriente”, de E.T. Coelho, e “Cuto – Tragédia no Oriente”, de Jesús Blasco.

Aqui fica, para memória fotográfica dessa sessão, uma breve reportagem que nos foi enviada por João Camacho, técnico superior da Câmara Municipal de Cascais, a quem publicamente agradecemos. Seguir-se-á, em próximos posts de O Voo d’O Mosquito, a apresentação das biografias destes autores e de uma galeria de imagens das suas obras, extraídas dos dois powerpoints, cujo arranjo gráfico esteve a cargo de Catherine Labey.

CONVERSA(S) SOBRE BANDA DESENHADA

Sábado, 8 de Julho, às 16h00, na Bedeteca José de Matos-Cruz (Biblioteca Municipal de S. Domingos de Rana), mais uma sessão do ciclo Conversa(s) sobre Banda Desenhada, desta vez com Jorge Magalhães & Catherina Labey, autores que estiveram estreitamente ligados à 5ª série d’O Mosquito, da Editorial Futura (1983-1986).