A HISTÓRIA DO PRESÉPIO EM BD

Numa quadra tão especial e tão festiva como a do Natal, cujo símbolo mais consagrado é o Presépio, não deve haver melhor exemplo do significado profundo do tema da Natividade e da mensagem redentora que esta fez chegar a todo o mundo e ao coração de muitos homens, através de imagens tão enternecedoras como a da Sagrada Família, com o Menino Jesus nos braços de Sua Mãe ou deitado num berço de palhas, numa humilde manjedoura.

A história que seguidamente apresentamos, O Poverello e o Presépio de Greccio“, com a assinatura de dois mestres da BD franco- -belga, Yves Duval (texto) e William Vance (desenhos), foi publicada no número de Natal do Camarada, 2ª série, 6º ano, dado à estampa em 28 de Dezembro de 1963, com uma bela capa de Júlio Gil, e narra a cruzada de dois frades mendicantes (um deles chamado Francisco de Assis) e de outros homens de boa vontade, que há mais de oito séculos levaram a cabo uma missão cheia de fé, acendendo pela primeira vez, na noite escura da Idade Média, as luzes do Presépio de Natal.

No Tintin belga, onde Vance iniciou em 1962 a sua brilhante carreira, este episódio surgiu no nº 52, de 25 de Dezembro desse ano, com o título Le Poverello et la Crèche de Greccio”.

Il poverello 3 e 4

Noutro número de Natal do Camarada, este de 1958 — ano do lançamento da 2ª série da revista da Mocidade Portuguesa, dirigida por Marcelo de Morais —, a história da criação do Presépio foi ilustrada por um grande desenhador português, cujos magníficos trabalhos recheiam muitas revistas da chamada “época de ouro”, como O Mosquito e o Camarada, e que ainda hoje, apesar dos seus 89 anos, continua cheio de projectos.

Pelo traço harmonioso de José Garcês, “Aquele Rapaz de Assis”, título do episódio que podem visionar a seguir, conta outra versão de um acontecimento que as lendas e as narrativas históricas atribuem a S. Francisco, o humilde monge que trocou a riqueza, a boémia e a companhia dos mais afortunados pela autêntica doutrina de Jesus Cristo, tornando-se um dos mais fervorosos apóstolos da caridade e do amor ao próximo.

Advertisements

O NATAL NA ARTE DE E.T. COELHO

Mais uma ilustração de Eduardo Teixeira Coelho, no seu estilo de clássica beleza, publicada num número especial d’O Mosquito, como alegoria natalícia de um versículo do Novo Testamento — e de um poema do seu director Raul Correia, cuja personalidade lírica se confundiu sempre com a do mítico Avozinho, o poeta de “alma triste e coração feliz”, idolatrado por muitos jovens que liam avidamente “o melhor jornal para rapazes de todos os tempos” (ou, pelo menos, dos anos 30 e 40 do século XX).

UMA REVISTA BEM PORTUGUESA COM O NOME DE “CAMARADA”

EXPOSIÇÃO SOBRE O “CAMARADA” (1ª SÉRIE) NA BIBLIOTECA NACIONAL

Nota: esta mostra está patente na Biblioteca Nacional desde o passado dia 28 de Novembro e será encerrada em 30 de Dezembro, podendo, portanto, ser ainda visitada durante a próxima semana.

Vem a propósito lembrar que o Camarada (1947-1951) foi lançado há 70 anos, em 1 de Dezembro de 1947, mas em moldes muito diferentes da restante imprensa infanto- -juvenil, encabeçada pel’O MosquitoO Papagaio e o Diabrete, pois enquanto que nestes títulos a colaboração estrangeira era maioritária, o Camarada — editado pela Mocidade Portuguesa e destinado quase em exclusivo aos centros escolares onde esta organização do Estado Novo estava presente — fazia gala de uma plêiade de autores portugueses, tanto literários como artísticos.

Embora de início tivesse dado pouco destaque à banda desenhada, o Camarada conseguiu conquistar gradualmente a afeição do público juvenil, chegando, com altos e baixos, ao nº 133, na 1ª série. Entre os seus valiosos elementos artísticos contam-se alguns dos mais genuínos representantes de uma nova geração da BD portuguesa, cujo vanguardismo começava a aflorar, assimilando o de outras criações europeias: Júlio Gil, Marcello de Morais, António Vaz Pereira, Bastos Coelho, Carlos Alberto, Nuno San-Payo, José Leal, todos ainda muito jovens e em início de carreira.

Mas no Camarada também se destacaram dois desenhadores de nomes já consagrados, Vítor Péon e José Garcês, oriundos d’O Mosquito, a principal publicação da concorrência, assim como um jovem e talentoso Artur Correia, que se estreara pouco tempo antes n’O Papagaio e se tornaria um dos maiores mestres da BD humorística portuguesa.

Portanto, esta exposição, comissariada por João Mimoso e Carlos Gonçalves, membros do Clube Português de Banda Desenhada **, merece a visita de quem se interessa pelas revistas infanto-juvenis — expoentes de uma cultura popular que ajudou a formar gerações — e pelas diferentes “escolas” que as marcaram em meados do século XX, com relevo para a que nasceu nas páginas do Camarada, dando oportunidade a um grupo de novos desenhadores (na sua maioria estudantes de Arquitectura, carreira que alguns deles optariam por seguir) de se afirmarem indelevelmente no panorama das histórias aos quadradinhos e das artes gráficas em geral. 

Aqui ficam, para memória futura, as quatro páginas que constituem a “FOLHA DE SALA” desta notável exposição (onde podem ser apreciados vários originais e outras peças raras), com texto de João Mimoso e Carlos Gonçalves.

** Na sede do CPBD (Amadora) está patente, desde o passado sábado, 16 de Dezembro, outra exposição sobre o Camarada, que engloba as suas duas séries.

CANTINHO DE UM POETA – 39

Eis mais um poema de Raul Correia, com uma ilustração de Jobat e publicado no Jornal do Cuto nº 19, de 10/11/1971, em cujo teor lírico e triste se espelha a influência de Gomes Leal, Guerra Junqueiro, António Nobre e outros poetas do século XIX que marcaram profundamente a obra do inspirado Avozinho d’O Mosquito.

Mais tarde (1949-1951), numa rubrica chamada Antologia o próprio Avozinho se encarregou de fazer uma selecção dos seus escritores e poetas favoritos, dando-lhes também lugar de destaque nas páginas d’O Mosquito, cujos leitores travaram assim conhecimento com alguns dos maiores nomes da literatura portuguesa.

“TERRY E OS PIRATAS” – 11º VOLUME (NOVEMBRO 2017)

Acalentado pelo êxito deste fanzine, com os primeiros episódios de uma emblemática série clássica, a maioria dos quais inéditos, durante décadas, em Portugal, José Pires continua a divulgar mensalmente, com infalível regularidade, as trepidantes e exóticas peripécias de Terry e os Piratas, vividas por um adolescente de espírito aventureiro e pelos seus fieis amigos nas longínquas regiões da China onde imperam ainda os “senhores da guerra” e a majestosa Dragon Lady — outra inesquecível personagem criada por Milton Caniff — dita também as suas leis.

Recorde-se que quando George Wunder tomou conta da série, substituindo Caniff (que partira para outras aventuras), os leitores d’O Mosquito puderam também travar conhecimento com a Dragon Lady, cuja presença ao lado de Terry (já mais crescido), e de outros comparsas, era incontornável.

A série está planeada para 25 volumes (todo o período escrito e desenhado por Caniff), com número uniforme de páginas, ao preço de 15 euros, que serão publicados até Janeiro de 2019, mantendo sempre a cadência mensal, como é firme propósito de José Pires. As encomendas podem ser-lhe feitas directamente, através do e-mail gussy.pires@sapo.pt

REQUIEM POR FERNANDO RELVAS (1954-2017)

Como já foi largamente noticiado, Fernando Relvas, um dos mais talentosos autores portugueses de BD, morreu com 63 anos, em 21 de Novembro p.p., vítima de pneumonia, depois de ter sido sujeito a uma operação no Hospital Egas Moniz, de onde foi transferido para o Amadora-Sintra. O funeral realizou-se hoje, no cemitério de Barcarena.

Justamente considerado por Nelson Dona, diretor do Festival Amadora BD, como um dos “autores-chave da BD portuguesa contemporânea, que trabalhou em todo o tipo de BD com registos gráficos brilhantes muito diferentes, e também em narrativas diversas, desde a infantil até à que era só para adultos”, Fernando Relvas, nascido em Lisboa em 20 de Setembro de 1954, publicou os seus primeiros trabalhos em meados da década de 1970, somando, desde então, colaborações em várias revistas de BD, nomeadamente Fungagá da Bicharada, Tintin, Mundo de Aventuras e Selecções BD, nos semanários Se7e e Sábado e no jornal Diário de Notícias. Ultimamente, utilizava também os meios digitais e criara blogues, como o Urso Relvas, onde escrevia textos inspirados.

Algumas das histórias publicadas na imprensa foram, mais tarde, compiladas em álbum, como “Karlos Starkiller”, “Çufo”, “Em Desgraça”, “As Aventuras do Pirilau: O Nosso Primo em Bruxelas” e “L123/Cevadilha Speed”. Em 2012, saiu o álbum “Sangue Violeta e Outros Contos” — englobando as histórias “Sangue Violeta”, “Taxi Driver” e “Sabina”, publicadas no Se7e —, premiado como clássico da Nona Arte no Festival de BD da Amadora.

A extensa obra de Fernando Relvas, interrompida nos últimos dois anos, devido à doença de Parkinson de que sofria, foi apresentada várias vezes na cidade da Amadora, capital portuguesa da Banda Desenhada, onde morava com a artista plástica Anica Govedarica, que conheceu na Croácia e com quem estava casado desde 2010.

Entre Janeiro e Abril do ano em curso, a Bedeteca da Amadora foi cenário da exposição retrospectiva “Horizonte, Azul Tranquilo”, que o seu organizador, Pedro Moura, descreveu como “uma obra maior no panorama nacional, ainda que sob muitos aspectos fragmentária (…), um verdadeiro sismógrafo da sociedade portuguesa e global das últimas décadas”. A exposição exibia trabalhos de Fernando Relvas publicados em fanzines, em revistas como o Tintin e noutra imprensa, como o semanário Se7e, onde deu largas, durante vários anos, a um imaginário ousado e irreverente e a uma veia gráfica experimentalista.

Em declarações à Agência Lusa, Pedro Moura sintonizou a carreira de Relvas com “um percurso nervoso por entre géneros e humores, métodos e técnicas, veículos de publicação e modos de produção e circulação, que servirá de retrato de uma incessante e intranquila busca pela expressividade própria da banda desenhada”.

Recorde-se também a exposição “Fernando Relvas e a Revista Tintin”, inaugurada em 16/5/2014 no extinto CNBDI (Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem), onde hoje se localiza a sede do CPBD (Clube Português de Banda Desenhada). Essa mostra assinalou a entrada da obra de Fernando Relvas, Prémio Nacional Amadora BD 2012, na importante e vasta colecção de originais da CMA/CNBDI, actualmente depositada na Bedeteca da Amadora.

Em finais de Outubro p.p., Relvas teve ainda a satisfação de assistir à abertura da sua nova mostra, na Galeria Artur Bual, integrada no 28º Festival Amadora BD, com uma abordagem retrospectiva (e não só) da sua obra, organizada por João Miguel Lameiras. Menos de um mês depois, partiu para o paraíso dos grandes artistas, onde descansará em paz, eternamente…

Este blogue, em homenagem à sua memória, está a preparar a apresentação de uma história publicada n’O Mosquito nº 2 (5ª série), Junho de 1984, cujos originais já estiveram também patentes na Bedeteca da Amadora. Infelizmente, foi a única colaboração que Relvas, sempre disperso por múltiplos projectos, prestou àquela revista — última “reencarnação” do mais emblemático título da BD portuguesa —, onde surgiu ao lado de autores como Jordi Bernet, Juan Gimenez, Esteban Maroto, Mandrafina, Antonio Hernandez Palácios, Eduardo Teixeira Coelho, Estrompa e Augusto Trigo.

Nota: este artigo utilizou algumas informações extraídas do DN Artes online.